Inglês para crianças: existe uma idade certa para começar?

Inglês para crianças: existe uma idade certa para começar?

A dúvida sobre quando o ensino do inglês para crianças deve começar permeia a cabeça de muitas famílias. Ao fazer uma pesquisa na internet, você pode encontrar diversas opiniões, tanto a favor quanto contra o aprendizado dessa língua logo nos primeiros anos de vida. Mas, de qualquer forma, é importante compreender que essas opiniões tendem a convergir para o que já foi cientificamente comprovado.

Há muito tempo, a ciência estuda o nosso comportamento e o desenvolvimento do corpo humano. É esse tipo de informação tão valiosa que permitiu que um conjunto de dados fossem reunidos para guiar desde as decisões dos pais e dos educadores. Isso possibilitou, inclusive, o melhor entendimento do processo de aprendizagem das crianças.

É a partir desse conhecimento científico que elaboramos esse artigo. Então, se você ainda não se sente seguro sobre qual a idade certa para matricular seu filho em uma escola bilíngue ou em um curso de inglês, acompanhe nosso texto. Vamos abordar desde os efeitos do inglês na vida da criança até as possíveis metodologias para cada faixa etária. Boa leitura!

A importância do inglês na vida das crianças

Aprender uma segunda língua é algo que deixou de ser um diferencial na vida dos adultos e passou a ser algo esperado, seja no mercado de trabalho, seja na rotina social. Em um mundo conectado graças à tecnologia, o inglês desempenha um papel muito significativo.

Pesquisas apontam que o inglês é a língua dos negócios — ainda que apenas 1% da população brasileira seja fluente no idioma. Para quem pensa que esse é um assunto muito distante da vida de uma criança, vale lembrar que o aprendizado é facilitado em um momento no qual o cérebro infantil tem uma maior quantidade de sinapses. Ou seja, está propenso para assimilar informações e conhecimento.

Mas a importância do inglês para uma criança não é algo a ser pensado avaliando apenas como um ponto que pode vir a ter um impacto no futuro profissional. O que se pode perceber é que o idioma permeia muitos universos, como as artes, o cinema e a música.

Além disso, estamos envolvidos em um universo que valoriza a língua inglesa. Palavras e expressões de tal idioma são utilizadas como ferramenta publicitária e como referências para o mercado econômico. Por isso, ter um conhecimento sobre o inglês pode começar como uma brincadeira — mas abrir a porta para a conquista do domínio na segunda língua com maior facilidade.

Quando aprender o inglês?

Um levantamento realizado pelo Massachusetts Institute of Technology aponta que a idade ideal para o aprendizado de uma segunda língua é aos 10 anos de idade. Para o MIT, os primeiros anos de vida são o momento ideal para que o cérebro seja estimulado e que, após os 17 anos, torna-se muito mais complexo o processo de busca pela proficiência em um novo idioma.

A pesquisa traz uma tranquilidade para os pais que ainda não têm filhos em escolas bilíngues, mas acreditam que pode ser a hora adequada para realizar uma transição e, por isso, estão avaliando escolas infantis.

Afinal, ainda que a criança não esteja aprendendo um novo idioma desde os primeiros anos na fase escolar, os resultados de uma mudança para um formato que estimule o conhecimento no inglês podem ser muito benéficos.

Ainda não está confiante da importância do inglês para crianças? Continue a leitura. A seguir vamos explicar como o desenvolvimento do cérebro humano impacta cada fase da vida infantil.

O desenvolvimento do cérebro humano

Quando nascemos, o corpo humano ainda não está completamente formado. Durante os primeiros anos, os órgãos terminam seu desenvolvimento e se preparam para a vida adulta. No caso do cérebro, esse processo só é concluído no final da adolescência.

Por isso, a melhor fase de aprendizado do ser humano é dos primeiros anos de vida até a adolescência. O quanto antes o seu filho for estimulado a aprender uma língua estrangeira, mais facilidade ele terá para assimilar esses conhecimentos. Isso é algo que é abordados nas chamadas escolas do futuro.

Conforme o tempo passa e a criança cresce, o aprendizado não fica impossível, mas se torna mais difícil. Assim, estudar um segundo idioma demandará maior esforço do adulto do que das crianças, por exemplo.

Um estudo apresentado pela BBC indica que todas as crianças têm um dom natural para o aprendizado de línguas. Para os bebês, o potencial de assimilação é ainda maior.

O mesmo levantamento mostra que os bebês conseguem ouvir 600 sons de consoantes e 200 vogais, que são parte de todas as línguas do mundo. Com o tempo, algumas habilidades são esquecidas por não serem utilizadas (ou estimuladas). Por isso, trazer algumas referências da língua inglesa desde os primeiros anos de vida pode ser muito positivo no processo de conquista do bilinguismo.

As metodologias de ensino do inglês para crianças

Para o ensino de uma segunda língua na primeira infância, é preciso ponderar que as metodologias são bem diferentes e devem estar adequadas de acordo com a faixa etária dos pequenos.

Afinal, uma criança que não sabe ler ou escrever não tem como ser submetida a um modelo de ensino pelo qual os adolescentes passam. Isso reforça até mesmo a importância das escolas inovadoras.

O ideal é desmembrar a didática de ensino do inglês para crianças nas fases que veremos abaixo.

Até 3 anos de idade

Nessa fase, seu filho pode até aprender pequenas palavras em inglês, e esse processo se dará por meio da memorização. Por isso, posteriormente, ele acabará se esquecendo daquilo que aprendeu ainda muito jovem.

Por ainda não conseguirem se comunicar oralmente com perfeição, as aulas costumam envolver atividades lúdicas e prazerosas, que estimulam o desenvolvimento de outras habilidades usando a língua estrangeira.

Entre 4 e 6 anos

Nessa fase, a criança está consolidando seu sistema cognitivo e está se preparando para atividades mais estruturadas, a exemplo do aprendizado da gramática inglesa. Por isso, os educadores continuam usando estratégias lúdicas e jogos um pouco mais elaborados, tudo para criar mais significado para os pequenos.

De modo geral, são nos primeiros 6 anos de vida que seu filho terá a capacidade cognitiva de aprender 2 idiomas como se fossem apenas um, o que é muito importante para a fluência nas línguas estrangeiras. Afinal, a criança vai raciocinar no próprio idioma em que está se comunicando sem realizar traduções mentais.

A partir de 7 anos

Com capacidade de se expressar oralmente e até de ler com perfeição, as crianças a partir de 7 anos já podem ser submetidas aos processos usuais do ensino do inglês.

Para despertar o interesse e envolver as crianças no processo de ensino-aprendizagem, os professores utilizam uma grande variedade de estratégias e recursos possíveis para desenvolvimento das habilidades de leitura, escrita, audição e fala em língua estrangeira.

Os professores abordam a leitura de textos, escrita de frases, exposição de desenhos animados e filmes em inglês, além de estimular a interação com os colegas usando exclusivamente o idioma.

Por fim, é importantíssimo que os pais se lembrem de que o aprendizado só é eficaz quando a criança cria significado e entende aquela atividade como algo divertido, prazeroso e importante. Tudo isso pode acontecer como parte do processo construtivo do saber.

As vantagens de aprender outros idiomas

Uma das vantagens de aprender outros idiomas é a abertura de portas na vida adulta. Afinal, uma pessoa que conversa fluentemente em inglês costuma ter muito mais oportunidades profissionais do que alguém que fala apenas seu idioma nativo.

Os benefícios vão além das questões profissionais. Entre eles, podemos destacar:

  • fortalecimento do cérebro: quanto mais uma pessoa aprende outros idiomas, mais algumas áreas do órgão se desenvolvem;
  • saúde da mente: o exercício contínuo do cérebro com o bilinguismo retarda o desenvolvimento de doenças degenerativas, como o Alzheimer;
  • sensibilidade à linguagem: a exposição das crianças a outras línguas as tornam mais sensíveis para a distinção de idiomas, o que facilita o aprendizado;
  • multitarefas: as pessoas que pensam em duas línguas têm mais facilidade em alternar entre tarefas simultâneas sem queda na qualidade;
  • múltiplos pontos de vista: aprender um novo idioma exige que a pessoa entenda um pouco da cultura daquele povo, permitindo desenvolver pontos de vistas diferentes com maior facilidade.

O papel dos pais ao se falar em inglês para crianças

Os pais têm um papel determinante no processo de aprendizado de uma segunda língua. Ao se pensar no inglês, a participação pode ser muito ativa e até mesmo divertida.

Seja preparando o filho para um intercâmbio, seja dando os primeiros passos na conquista de um vocabulário em inglês, os pais podem (e devem) criar um ambiente que estimule a prática do idioma.

Existem alguns hábitos simples e interessantes que podem ter um papel determinante na busca pela fluência. Entre eles, dar a preferência para os filmes e programas de televisão sem legenda, ter acesso a livros em inglês, aproveitar as oportunidades de viagens para estimular que os filhos arrisquem algumas palavras na língua, entre outras boas práticas.

Para isso, é essencial entender que estimular o inglês para crianças não pode significar tentar impor algo de maneira pesada. É interessante lembrar que é possível aprender um novo idioma brincando, de maneira lúdica e leve. Até mesmo porque o papel da escola é reforçar o ensino tradicional. Por isso, a família deve agir de uma maneira complementar — estimulando a prática.

5 dicas para estimular o aprendizado do inglês para crianças

Os pais podem contribuir de maneira muito ativa tanto na fase do aprendizado do inglês quanto na construção do interesse pelo idioma. Para isso, separamos 5 dicas que devem ser colocadas em prática.

1. Explore o poder da música

A música é uma das grandes maneiras para fazer com que as crianças e os adolescentes tenham interesse pelo inglês. Por isso, coloque no carro ou mesmo em casa músicas que sejam de interesse dos filhos e, claro, na língua inglesa. Vale ajudar a traduzir alguns trechos e explicar algumas pronúncias para deixar a brincadeira ainda mais legal.

2. Use e abuse da tecnologia

A tecnologia é uma grande aliada da educação atual e não seria diferente para o ensino do inglês. Por isso, se você aprova o uso de telas pelos pequenos, aproveite para deixar que eles brinquem com aplicativos que ensinam cores, formas, nomes de bichos etc. em inglês.

3. Conte histórias

A contação de histórias costuma ser um momento muito especial na vida familiar. Pode ser algo que faz parte da rotina do sono ou mesmo dos momentos de brincadeira. Seja como for, experimente contar algumas histórias simples e rápidas em inglês, aproveitando para explicar o contexto do que está sendo falado. Dessa forma, seu filho não vai perder o interesse pelo assunto.

4. Explore os desenhos animados

Sabe o tempo que seu filho passa em frente à televisão assistindo a desenhos? Pense que ele pode ser muito mais produtivo se a diversão for em outro idioma. Escolha bem o programa e acompanhe o momento.

5. Utilize algumas palavras em inglês

Alguns termos ou expressões em inglês podem ser inseridos aos poucos na vida da criança. Vale escolher palavras que façam sentido na vida do pequeno e que possam ser facilmente faladas. Entre dog, food ou mesmo i love you, veja o que pode ser encarado como uma brincadeira ou como algo especial para os pais e os filhos.

No mais, todo o processo do ensino do inglês para crianças é facilitado quando as escolas atuam de maneira positiva e estratégica. E esse é um assunto que merece uma atenção especial.

O importante papel da instituição

No que se refere à instituição de ensino, a escolha deve ser criteriosa. Não basta somente que as aulas de inglês estejam presentes no currículo escolar oferecido. É preciso avaliar as metodologias de ensino e a capacitação dos educadores que serão responsáveis pela disciplina.

Uma das alternativas que vem conquistando as famílias brasileiras é a modalidade de escolas bilíngues. A proposta delas é provocar uma imersão no ensino do segundo idioma, desde o Ensino Fundamental ao Ensino Médio.

Neste artigo, você viu que não existe idade mínima ou certa para começar o ensino do inglês e que, quanto mais cedo seus filhos entrarem em contato com o idioma, mais facilidade terão para aprendê-lo. Lembre-se de escolher uma escola que adote as metodologias adequadas para cada idade e de incentivar a prática da língua inclusive dentro de casa.

Ficou interessado no assunto e quer saber mais? Então, baixe agora mesmo o nosso Guia sobre Aprendizado de Línguas para Crianças!