Terminei o Ensino Médio, e agora? Saiba como escolher uma profissão

Terminei o Ensino Médio, e agora? Saiba como escolher uma profissão

A adolescência é uma fase de grandes descobertas, questionamentos e experiências, mas também de grandes decisões. E a mais importante delas talvez seja aquela perguntinha que provoca arrepios em todo aluno prestes a se formar: como escolher uma profissão? Esse é um dilema que tanto pais como estudantes enfrentam durante todo o Ensino Médio, mas que chega de forma mais intensa ao fim do terceiro ano.

Nessa fase, o vestibular se aproxima e é preciso saber muito bem qual curso escolher no momento da inscrição, já que, em muitos casos, essa é uma decisão para a vida toda. E como decidir sem estresse? O que levar em consideração na hora de definir o curso superior? O que importa mais: perspectiva de retorno financeiro ou aptidão e talento?

E por mais que seja difícil, escolher o curso ideal não precisa se transformar em nenhum bicho de sete cabeças. No post de hoje, vamos mostrar que esse processo pode ser muito mais simples do que você imagina. Prepare papel e caneta e acompanhe!

Evite deixar para a última hora

Muitos estudantes resolvem pensar no assunto só aos 45 minutos do segundo tempo, ou seja, no segundo semestre do terceiro ano do Ensino Médio, à beirinha do momento de decisão. Mas uma escolha tão importante como essa bem que merece mais tempo de reflexão, não é mesmo? Por que não começar a pesquisar, ler a respeito das opções e fazer testes vocacionais a partir do primeiro ano do Ensino Médio, por exemplo?

Reservando mais tempo para isso, é possível até mesmo conhecer melhor suas aptidões e os tipos de atividades que despertam mais interesse no seu dia a dia. Comece mais cedo e encare essa escolha como uma decisão muito importante, que merece ser tomada com uma super calma.

Tome cuidado com a oposição prazer x dinheiro

Prazer ou dinheiro? Simplesmente não tem como evitar essa pergunta, não é mesmo? Em algum momento, todo estudante se sente obrigado a pesar sua decisão com base nesses critérios, colocando de um lado da balança o que o fará mais feliz e, de outro, o que pode render mais dinheiro, ainda que pareça uma atividade menos interessante. E aí é que está o erro. Já parou para pensar que essas duas coisas não precisam necessariamente se excluir? Há quem sinta prazer em profissões tradicionalmente lucrativas, enquanto outras pessoas conseguem se destacar financeiramente em atividades que, ao menos a princípio, rendem menos dinheiro.

As coisas não precisam ser tão extremas! Além disso, como o mercado de trabalho está em constante modificação, optar por profissões consideradas mais lucrativas nem sempre é garantia de sucesso. Por outro lado, uma atividade prazerosa pode virar motivo de estresse quando se tornar obrigação. Pense na rotina de um músico: tocar um instrumento é sua maior diversão, mas comparecer a ensaios, ficar até tarde da noite em shows e ter uma agenda cheia de aulas todos os dias pode ser bem estressante. Melhor levar isso em consideração, não é verdade? Em todo caso, o ideal é dar preferência a profissões que atendam sua satisfação pessoal, mas também contemplem um certo retorno financeiro. Como em tudo, o meio-termo é o melhor caminho!

Leve suas aptidões em conta

Todos temos inclinações naturais, que costumamos chamar de talentos. Temos prazer e facilidade em fazer certas coisas que consideramos mais divertidas e aprendemos mais facilmente do que outras. Um exemplo: se um aluno gosta de desenho e é bom em Matemática, seria interessante considerar a carreira de Arquitetura. Se escreve bem, é bem informado e antenado, poderia se dar bem como jornalista. Pode até parecer clichê, mas reconhecer suas aptidões é uma excelente maneira de começar a buscar uma profissão.

Leve em consideração aquilo que você faz de melhor, mas tenha em mente que esse não deve ser o único parâmetro. Certamente, todo profissional tem dificuldade em algum campo da sua área de trabalho. Se um jovem tem muita vontade de se tornar médico, porém apresenta dificuldades com o estudo de Química, deve estar ciente de que isso não o impede de seguir a profissão, ainda que demande um esforço maior em algumas matérias. As dificuldades fazem parte do aprendizado e são algo com que temos que aprender a conviver!

Faça um estudo do mercado de trabalho

Um bom parâmetro para escolher uma profissão é o mercado de trabalho. Mas não se engane: as profissões que hoje têm uma enorme procura, podem estar saturadas dentro de alguns anos, talvez antes mesmo de você se formar. Outras profissões, menos usuais e mais recentes, podem apresentar uma grande demanda agora e baixa oferta no futuro.

Como bem se sabe, o aumento do salário se relaciona diretamente à regra de oferta e procura. Assim, quando há muitas vagas para determinada profissão e pouca gente para preenchê-las, isso geralmente se traduz em salários melhores. Então pense muito bem antes de escolher aquela área só porque ela dá dinheiro hoje. Essa mesma atividade pode estar muito saturada no futuro! Avalie o mercado de trabalho para identificar profissões inovadoras que estão surgindo e acompanhar análises sobre as futuras tendências.

Faça uma listinha e compare

Depois de levar em conta tudo o que já falamos, se as dúvidas ainda persistirem, uma boa forma de solucionar o problema é sendo objetivo: comece eliminando aquelas profissões com as quais você sabe que não tem a mínima afinidade. Depois disso, faça uma listinha com as que sobraram. Você vai ver que já estará bem mais perto da resposta que procura.

A partir daí, você pode usar as dicas que demos para escolher entre as que sobraram. Quais dessas profissões você imagina que podem proporcionar estabilidade financeira e prazer, tudo ao mesmo tempo? Quais delas você acha que estarão em alta no mercado de trabalho daqui a 5 anos? Para quais dessas opções você já possui algumas habilidades e aptidões necessárias? Depois desse crivo, chega a hora de decidir entre o que restou, o que torna a escolha muito mais fácil!

Em todo caso, não se desespere. Muitos profissionais de sucesso mudaram de área ao longo da sua carreira e nem por isso deixaram de ter destaque no mercado. O conhecimento adquirido em um curso superior sempre o acompanhará em sua jornada e certamente será de grande valia, seja atuando naquela área ou em qualquer outra. E não se esqueça: a ajuda e o apoio da família, claro, contribuem muito. Então dê uma olhadinha no nosso post sobre como os pais podem ajudar na preparação dos filhos para o vestibular e ENEM, onde falamos tudo a esse respeito!

E agora que você está por dentro dessas dicas, por que não nos diz nos comentários qual área está pensando em escolher? Compartilhe conosco sua opinião!

 

Comentários

comentários