Saiba como ajudar seu filho a construir um projeto de vida

Saiba como ajudar seu filho a construir um projeto de vida

Você por acaso já ouviu dizer que a adolescência é a época mais desafiadora da vida tanto para os pais como para os filhos? E há sim um fundo de verdade aí! Afinal, trata-se de um período confuso, em que cada decisão costuma despertar muitas dúvidas e criar certos conflitos. Por essas e outras, ajudar seu filho na construção de um projeto de vida pode ser uma excelente pedida!

Mas você sabe direitinho em que consiste um projeto de vida e o que ele deve incluir? Fica se perguntando sobre como conscientizar seus filhos sobre a responsabilidade que têm em relação à sua própria trajetória? Não se preocupe, porque abordaremos cada uma dessas questões ao longo do post de hoje. Então boa leitura!

O que é um projeto de vida?

Um projeto de vida equivale a um modelo mais ou menos organizado dos objetivos e das aspirações que uma pessoa tem em relação a seu futuro. Deve englobar, assim, diversos aspectos, como curso de graduação, intercâmbio, aprendizado de outros idiomas, sucesso profissional, estabilidade financeira e inserção no mercado de trabalho.

Elaborar um projeto de vida dá ao jovem uma perspectiva diferenciada, aumentando o senso de responsabilidade a respeito da sua própria trajetória. Tenha em mente, no entanto, que esse projeto não define apenas os objetivos, mas também deve abordar os caminhos que o adolescente precisará percorrer para alcançá-los.

Qual é o papel dos pais?

Você deve estar aí se perguntando sobre o papel dos pais na elaboração desse projeto, certo? A verdade é que o incentivo e o apoio incondicional da família são simplesmente essenciais para que crianças e jovens tenham autoconfiança suficiente para investir nas próprias ideias.

O importante é saber que seu papel aqui não é o de executor, mas sim o de motivador! Seu filho não precisa de alguém que faça o dever de casa por ele, mas de exemplos em que ele possa se espelhar, de mentores que o orientem em relação às opções disponíveis. Lembre-se de que você e seu filho devem estabelecer uma parceria com base no apoio. Então nada de assumir as rédeas da carruagem, ok?

Qual o momento certo de começar?

Muitos pais investem no projeto e começam a preparar seus filhos logo antes do vestibular. Mas pense dessa forma: como não envolve apenas a escolha do curso de graduação, incluindo também a transmissão de valores como humildade, honestidade, respeito e tolerância, o ideal é que projeto de vida seja construído aos pouquinhos, mas desde mais cedo, ainda na infância.

Mesmo que não de forma oficial ou escrita, orientações envolvendo a convivência com familiares e colegas, o desenvolvimento da autonomia e o significado da experiência de se viver no século XXI fazem parte dessa construção contínua. Assim, quando chegar a hora de propor a seu filho adolescente que realmente reflita sobre o futuro, pode acreditar: ele terá bases sólidas sobre as quais apoiar suas escolhas!

Como a educação formal pode contribuir?

O papel da escola, dos professores e demais profissionais pedagógicos é deixar seu filho a par das descobertas e dos avanços científicos nas mais diversas áreas de conhecimento, apresentando para ele o que a humanidade já descobriu. Com isso, habilidades como dedução, memorização, associação, compartilhamento, questionamento e interpretação são estimuladas e lapidadas.

Esse conjunto de fatores tem potencial para despertar a curiosidade dos jovens a respeito de fenômenos físicos, históricos, políticos e geográficos, entre outras possibilidades. Por meio desses estímulos é que que eles conseguirão descobrir seus interesses, moldando seu projeto a partir daí! Então não se esqueça de sempre incentivar a curiosidade e o ímpeto de investigar e testar teorias, combinado?

Como ponderar vantagens e desvantagens?

Projetos pessoais (como viajar e aprender um segundo ou terceiro idioma) vão brotando espontaneamente à medida em que o jovem for explorando seu potencial. Ajude-o a avaliar cada possibilidade, bem como suas ações e as respectivas consequências.

Por mais que você jamais deva decidir por seu filho, ensine-o a pesar as vantagens e desvantagens de uma escolha, seja ela qual for. É importante que ele compreenda que se executar a ação X, obterá o resultado Y. Deixe bem claro que erros e tropeços fazem parte da caminhada, assim como acertos e conquistas. Afinal, criando seus próprios planos, caindo e levantando é que seu filho amadurecerá.

Mudanças nos planos são bem-vindas?

É fato: no caminho rumo à concretização do seu projeto de vida, o jovem esbarrará em mudanças inevitáveis. Com isso em mente, oriente seu filho a aceitar essas transformações, sempre analisando seus benefícios e entraves. Ele percebeu que será mais feliz e realizado se seguir a carreira X em detrimento da Y, mesmo tendo se preparado para a primeira? Tudo bem! Só o incentive a pensar nos desdobramentos que isso pode gerar.

Um detalhe que os adolescentes devem compreender a respeito da vida é que ela está em constante movimento. Assim como nada é fixo ou imutável, o projeto de vida tampouco deve ser engessado, bitolando a criatividade do seu filho. Aliás, muito pelo contrário!

É preciso pensar nos prazos?

Curto, médio e longo prazos: os 3 devem ser trabalhados. Como já mencionamos, o projeto não deve ser elaborado apenas para definir a opção no vestibular, resolvendo exclusivamente uma questão de curto prazo. Na verdade, um projeto de vida deve conscientizar seu filho sobre desafios e objetivos futuros, fazendo com que ele amadureça sua visão de mundo e suas iniciativas.

Para tratar os objetivos de médio prazo, que tal listar possíveis estágios e trabalhos voluntários, bem como locais e funções que seu filho gostaria de desempenhar? Os objetivos de longo prazo, por sua vez, dizem respeito às conquistas ao longo do caminho, como a criação de um produto inovador, por exemplo, ou o alcance da estabilidade financeira na idade X.

De qualquer forma, é importante ter em mente que todas essas projeções não só podem como devem mudar à medida que o jovem for amadurecendo suas ideias — especialmente durante a graduação e depois de estar inserido no mercado de trabalho.

Qual a importância da leitura?

Como diz o ditado, quem lê vive muitas vidas! É por meio dessa atividade que desenvolvemos a empatia e passamos a enxergar as pessoas e suas ações com olhos mais tolerantes. Viver as angústias e as felicidades de um personagem nos faz entender o quão caótica e revigorante a vida pode ser em suas diversas fases e situações.

Ler, portanto, é essencial ao desenvolvimento cognitivo e pessoal do seu filho. Sabendo disso, tenha em mente que a construção de um projeto de vida será imensamente facilitada pela bagagem de leituras que o jovem possui. Pronto para incentivar esse hábito na vida do seu filho?

Agora que entendeu como a elaboração de um projeto de vida mais realista e humano se dá e o que ele deve conter, aproveite para conferir nosso passo a passo para ajudar seu filho a escolher um curso!

 
Facebook Comments

Comentários

comentários