Preparação para o vestibular: 5 técnicas imbatíveis de estudo

Preparação para o vestibular: 5 técnicas imbatíveis de estudo

Com a aproximação das provas do ENEM e dos vestibulares, milhões de vestibulandos país afora entram em estado de alerta — e, por que não dizer, de desespero, não é mesmo? E não é para menos! A quantidade de conteúdos abordados nos exames definitivamente não é pouca, assim como a responsabilidade sobre os ombros dos estudantes. Por isso é que seu filho deve aprender (e aplicar) o quanto antes algumas técnicas de estudo para ajudá-lo nessa tarefa.

Mas, afinal de contas, quais métodos são realmente imbatíveis quando o assunto é conquistar a tão sonhada vaga no ensino superior? Pois é exatamente sobre isso que vamos falar no post de hoje! Listamos aqui as 5 técnicas de estudo mais práticas e eficientes para você apresentar a seu filho nessa etapa tão importante. Então continue com a leitura e confira!

Resolver provas anteriores

Cada instituição de ensino superior possui um grupo de profissionais responsável pela elaboração de suas provas de vestibular: a famosa banca. E a boa notícia é que as bancas não costumam mudar completamente de um ano para o outro, o que significa, na prática, que o tipo de questão, bem como a maneira de abordar determinados assuntos tendem a ser similares de vestibular para vestibular. E essa lógica também vale para o ENEM, viu?

Por isso, obter provas anteriores daquelas instituições onde seu filho deseja prestar o exame para que ele as refaça diversas vezes é uma estratégia de estudo extremamente eficaz. Dessa maneira, ele pegará o jeito daquela prova específica, aprendendo exatamente o que a banca mais costuma abordar. Para facilitar, a maioria das faculdades disponibiliza gratuitamente em seus sites as provas anteriores para download. Em outros casos, para obter os exames, pode ser necessário pagar uma taxa.

Montar um cronograma intercalado

Todas as provas de vestibular abordam disciplinas tanto da área de exatas como da área de humanas e biológicas, certo? Mas você sabia que o estudo de cada uma dessas áreas ativa um lado diferente do nosso cérebro? Disciplinas como matemática e física, por exemplo, exigem um esforço maior do hemisfério cerebral esquerdo, mais lógico e analítico. Por outro lado, matérias como história e literatura estão ligadas ao hemisfério direito, mais intuitivo e experimental.

Mas como usar essa informação para se dar bem no vestibular? É simples: basta que seu filho monte um cronograma de estudos que intercale períodos de estudo de matérias pertencentes à área de exatas com outras da área de humanas. Dessa forma, o cérebro não se sobrecarrega com muitos estímulos direcionados somente a um setor. E é sempre bom lembrar que, além de intercalar disciplinas distintas, fazer um intervalo de pelo menos 15 minutos de descanso entre uma e outra é essencial. Assim o aluno volta aos estudos com força total!

Fazer mapas mentais

Essa é uma dica quente para aquelas pessoas que possuem bastante memória visual, pois desenhar mapas mentais costuma ser mais efetivo para o aprendizado que simplesmente fazer um resumo escrito do conteúdo estudado. Para fazer esse mapa, basta ter à mão uma folha A3 ou uma cartolina e canetas coloridas. Mas por onde começar?

Ensine seu filho a escrever o título do mapa mental (capitanias hereditárias, por exemplo) no centro da folha e, a partir daí, desenhar setas, adicionando ao mapa informações pertinentes ao assunto. Tudo deve partir do título. Ele pode criar tópicos e subtópicos, organizando o conteúdo da maneira que achar melhor. Imagens e desenhos também podem fazer parte de um bom mapa mental. O segredo está em soltar a imaginação!

Também é possível criar um sistema de cores para organizar a fonte das informações. Assim, o estudante pode determinar que escreverá sempre com caneta verde as ideias e os raciocínios que ele mesmo criar, por exemplo. Assim, sempre que consultar o mapa e localizar as anotações em verde, saberá que aquilo foi um pensamento seu.

Estudar em grupo

Apesar de algumas pessoas realmente produzirem mais estudando sozinhas, para a grande maioria dos estudantes, montar grupos de estudos para o vestibular pode alavancar o aprendizado de uma maneira surpreendente. Nesses casos, o velho ditado 2 (ou mais) cabeças pensam melhor que 1 não poderia ser mais verdadeiro.

Porém, para ser realmente efetivo, é necessário que o grupo de estudos nunca seja muito grande. 5 pessoas é um bom número limite para evitar a dispersão. Ainda é bom que seja composto por pessoas com facilidade em matérias distintas. Afinal, se todos os componentes forem feras em matemática e tiverem dificuldades em história, por exemplo, o estudo em grupo acabará não agregando muito conhecimento, não é verdade? Contar com pessoas que dominem matérias distintas aprimora o aprendizado, já que um pode explicar e ajudar o outro naquilo que tem mais facilidade.

Programar simulados

Assim como refazer as provas de anos anteriores, programar exames simulados é uma verdadeira mão na roda para quem está se preparando para o vestibular. E quando falamos em simulado, é para simular de verdade, ok? Isso significa só usar o que é permitido no momento da prova (caneta de cores específicas, por exemplo), calcular o tempo exato de início e cronometrar exatamente o número de horas que seu filho terá disponível no grande dia. Durante o simulado, não vale consultar materiais de estudo, dar aquela paradinha para o lanche ou conferir as redes sociais. É preciso fazer de conta que se está realmente prestando o vestibular!

Após o término do tempo, confira com seu filho o gabarito e contabilize sua nota. E caso o resultado não seja o que vocês esperavam, nada de desanimar! Lembre-se de que os simulados servem justamente para analisar com cuidado onde errou e por quê. Assim, é possível reprogramar o cronograma de estudos, dando mais atenção aos pontos e às matérias em que o estudante não foi tão bem quanto esperava.

Acredite: aplicando essas técnicas de estudo durante a preparação para o vestibular, você verá o rendimento do seu filho dar um salto! Então o que ainda está esperando? Mãos à obra! E se gostou deste conteúdo e acha que ele foi útil para você, talvez também tenha interesse em saber como a escola integral pode ajudar na aprovação no vestibular! Confira este outro post publicado aqui no blog!

 

Comentários

comentários