Por que oferecer inglês para crianças na educação infantil?

Por que oferecer inglês para crianças na educação infantil?

Com as fronteiras linguísticas sumindo devido à facilidade de se conectar a outras culturas, o domínio da língua inglesa é fundamental para se comunicar com o mundo e suas possibilidades.

Nesse sentido, o contato com o inglês na educação infantil pode fazer toda a diferença para expandir o universo da criança desde cedo, além de proporcionar um upgrade significativo no currículo, facilitando sua formação em programas educacionais no exterior, além do relacionamento com pessoas de todo o mundo.

Tudo bem já ser consenso que o aprendizado de inglês é regra e não mais uma opção, mas aí vêm as dúvidas: quando e como? Os questionamentos sobre quais são as melhores escolhas pipocam constantemente.

Ao mesmo tempo em que vários profissionais recomendam o contato com a língua estrangeira já na infância, há quem insista em colocar aquela pulga atrás da orelha dos pais.

Afinal, vale a pena investir na aula de inglês para educação infantil? Já adiantamos que a resposta é positiva. Mas quer saber o por quê? Confira, ao longo deste post, quais são os motivos para fazer essa escolha! Boa leitura!

O que a ciência diz sobre o ensino do inglês na educação infantil?

Em primeiro lugar, é importante pontuar que, mesmo que estudos científicos não tenham chegado a um consenso sobre qual exatamente é a melhor idade para iniciar o ensino de um outro idioma, os benefícios trazidos pela prática ao desenvolvimento cognitivo de bebês e crianças já são mais que certos. E ainda tem mais: quanto mais cedo, melhor.

Um estudo realizado há pouco tempo na Universidade da Colúmbia Britânica buscou verificar como os bebês percebem a linguagem e como essa percepção molda seu aprendizado, notando que quem tem a mãe bilíngue é capaz de registrar as diferenças entre os dois idiomas ao ouvir suas expressões.

Outra pesquisa, aplicada pela Universidade de Nova York, em Toronto, evidenciou que as crianças bilíngues desenvolvem habilidades que ultrapassam os vocabulários dobrados, incluindo o aprendizado de diferentes maneiras de solucionar problemas lógicos ou mesmo de lidar com tarefas múltiplas (parte da chamada função executiva do cérebro).

Basicamente, pode-se dizer que crianças bilíngues desde cedo mostram um desenvolvimento precoce da função executiva, tornando-se cognitivamente mais flexíveis que as monolíngues.

Viu só como o aprendizado do inglês já na educação infantil, com a abordagem correta e respeito às especificidades de cada criança, só traz benefícios? E a ciência desmistificou até o medo de muitos pais de que as crianças podem confundir as duas línguas. Muito pelo contrário, elas entendem bem em quais situações comunicativas devem utilizar cada idioma, sem atropelos.

Quais são os benefícios da aula de inglês para educação infantil?

Ser fluente em inglês é um fator decisivo na vida acadêmica e profissional de uma pessoa, pois pode abrir diversas portas na sua carreira.

Iniciar o aprendizado do idioma quando criança, além de ser uma ótima fase para adquirir esse conhecimento, também possibilita ao pequeno entrar na vida adulta com um bom nível no idioma. Descubra, a seguir, esse e outros benefícios de estudar a língua desde os primeiros anos de vida:

Aproveitamento escolar

Estudar inglês na educação infantil faz com que o pequenino aprenda o novo idioma juntamente ao português, o que permite que o seu cérebro tenha mais facilidade para trocar de língua ao se comunicar do que quem só começa a conhecê-lo na fase adulta, quando já é um falante nativo consolidado.

Além disso, o estudo de inglês na infância também estimula as funções cognitivas dos bebês e crianças — condição que é altamente positiva para o aproveitamento das outras disciplinas escolares. Assim, a capacidade de raciocínio é beneficiada, e até mesmo a integridade do seu cérebro passa a ser influenciada pelo processo de aprendizagem.

Quanto mais o nosso cérebro se exercita, recebe atividade, com mais rapidez ele se desenvolve. É como se ele se comportasse como um músculo, que quanto mais é trabalhado, mais cresce.

As crianças bilíngues têm a capacidade de antecipar a sua consciência metalinguística, os pensamentos de cálculo e lógica, e de se concentrar, podendo focar rápido para desempenhar as suas tarefas.

Aprendizado rápido

Na primeira infância, as crianças podem ser comparadas a esponjas — absorvem todo o tipo de conteúdo que lhes é apresentado. E isso não é diferente em se tratando da aprendizagem de idiomas. Por isso, elas começam a aprender inglês assim que têm o primeiro contato com a língua.

Sem falar que os pequenos estudantes chegam mais rápido na fluência perfeita, uma vez que o aparelho fonético é capaz de reproduzir diversos sons nessa etapa do desenvolvimento do corpo humano.

Essa exposição ao idioma também ajuda a despertar outras competências, como musicalidade, eloquência, sociabilidade e articulação dos sons. Não estranhe se, ao colocar o seu filho na aula de inglês, descobrir que ele tem algum tipo de talento, por exemplo.

Fluência na vida adulta

Se uma pessoa começa a aprender inglês desde cedo, é muito mais provável que quando chegar à vida adulta seja fluente, ao contrário de alguém que só decida optar pelo aprendizado depois de crescido e por exigência do mercado de trabalho.

Falar a língua inglesa fluentemente abre muitas oportunidades na carreira profissional, pois possibilita que o seu filho estude no exterior e, consequentemente, tenha acesso a uma formação diferenciada, bem como entre em contato com outras culturas — fatores que enriquecem o seu currículo.

Portanto, uma criança que inicia o seu aprendizado em inglês de maneira dinâmica e apropriada à sua faixa etária tem tudo para se tornar um adulto destemido, sem limites e capacitado para atingir as suas metas profissionais.

Diminui a timidez

O seu filho é tímido? O contato com um novo idioma, em uma sala de aula com pessoas da idade dele, ajuda a diminuir a timidez que, muitas vezes, impede que os pequenos se comuniquem com outras pessoas e deixem de fazer amizades.

É normal que as crianças que começam a falar inglês nos primeiros anos da escola se sintam empolgadas com as descobertas e tenham interesse em praticar o que aprendem com os seus colegas e em casa. Isso, além de melhorar as suas habilidades de pronúncia e conversação, também as deixa menos inibidas para se expressar em público.

Ser um cidadão global

Já pensou em ter a chance de viajar pelo mundo com uma comunicação perfeita e conhecer diversas culturas? O seu filho pode ter essa oportunidade quando aprende inglês na infância, pois estamos falando de uma língua universal, que é praticada na maior parte dos países.

Alguém que tem esse segundo idioma na ponta da língua tem mais independência para viajar, sem a necessidade de contar com guias ou tradutores para passear em um país estrangeiro e aproveitar as experiências locais.

Isso o permite se aprofundar em outras culturas e conversar com pessoas de várias nacionalidades. Essas situações ajudam a desenvolver o seu respeito pelas diferenças — característica indispensável para a construção das relações humanas.

Tudo isso contribui para que o seu pequeno possa ser um cidadão global no futuro. A visão globalizada proporcionada pela aprendizagem de inglês possibilita que ele possa estudar, morar ou trabalhar em qualquer país que tenha esse idioma como língua materna ou secundária. Ou seja, ele vai ter à sua disposição um mundo cheio de oportunidades, tanto em termos pessoais quanto profissionais, tendo mais possibilidade de ser uma pessoa realizada.

Como é a abordagem desse ensino?

Cada criança tem seu próprio processo de aprendizado, com um ritmo diferente, necessitando, portanto, de estímulos específicos que a impulsionem. Por esse motivo, além da faixa etária, é claro, é preciso ter uma dose extra de sensibilidade para ensinar a língua inglesa a bebês e crianças desde cedo, pensando no bilinguismo como um processo gradativo e constante.

Na educação infantil, deve-se ter o cuidado de não explorar a leitura ou a escrita de palavras em inglês, uma vez que o período de alfabetização da criança precisa ser respeitado.

Devido à idade, a melhor abordagem consiste no ensino de inglês a partir da sonoridade da língua, da mesma forma como fazemos com nossa língua materna: primeiramente aprendemos a falar e a entender o que ouvimos para, depois, aprendermos a ler e a escrever.

O ensino ideal se dá por meio de atividades lúdicas relacionadas ao cotidiano da criança. Por isso, contar histórias, promover jogos e brincadeiras, dramatizar situações (com bonecos e fantoches) e recorrer às músicas são sempre ótimas opções.

Expressões cordiais precisam ser introduzidas aos poucos e todo o processo tem que se basear tanto no tempo da criança quanto no desenvolvimento e aprimoramento de todo o seu potencial criativo.

Nesse cenário, aprender inglês será algo tão divertido, interessante, prazeroso e natural que a criança nem vai perceber que está, realmente, estudando e aprendendo!

A experiência deve ser prazerosa e as técnicas, adequadas à idade. Não faz sentido, por exemplo, ensinar regras gramaticais a uma criança muito pequena. Mas não se preocupe, porque, no tempo certo, ela desenvolverá esse tipo de habilidade.

E como os pais podem ajudar no processo de ensino do inglês na educação infantil?

É preciso que os pais tenham cuidado ao escolher a escola onde os filhos terão sua educação bilíngue ou multilingual. Os valores e a filosofia da instituição devem estar em plena concordância com os critérios da família.

E se essa cautela já é fundamental para escolher a escola de ensino monolíngue, deve ser redobrada para o caso de contato com mais de um idioma, pois o processo envolve atenção à maturidade emocional e cognitiva das crianças, além de flexibilidade.

Além do mais, é essencial que os pais se envolvam na vida escolar dos filhos, incentivando o aprendizado do inglês sem os sufocar com cobranças ou demonstrações excessivas de expectativas.

Reagir positivamente às manifestações da criança em língua inglesa é bom para que ela se sinta mais segura e desinibida. Já cobrar a tradução de textos ou testar o conhecimento dos filhos, especialmente na frente de outras pessoas, pode ser prejudicial.

É ideal que as crianças vivenciem o inglês de forma natural, com incentivos e sem pressão. Vale a pena estimular a prática da língua estrangeira em casa, com livros, filmes, seriados, desenhos e outros recursos adequados à idade, de maneira a complementar o ensino do inglês na educação infantil.

Que tal pensar com carinho em proporcionar a suas crianças, desde novinhas, a incrível experiência de aprender outra língua, especialmente o inglês? O futuro delas certamente agradecerá!