Por que a dupla certificação é um diferencial para seu filho?

Por que a dupla certificação é um diferencial para seu filho?

No mundo cada vez mais globalizado em que vivemos, oferecer o máximo de possibilidades para os filhos não é mais um luxo restrito apenas a famílias que têm a possibilidade de morar no exterior. Com o crescente número de instituições de ensino que combinam currículos internacionais com as exigências do Ministério da Educação brasileiro, é mais que possível oferecer a seu filho uma dupla certificação escolar sem precisar sair do país ou mesmo enfrentar a burocracia de validar diplomas tirados fora daqui. E os benefícios de se obter automaticamente um diploma de Ensino Médio válido nacional e internacionalmente são inegáveis. Quer saber mais sobre o assunto? Então confira nosso post!

Foco em competências e habilidades globalizadas

Além do que proporciona a já valorizada educação bilíngue, o Ensino Médio com currículo misto simplifica consideravelmente o caminho que pode levar os estudantes a uma universidade estrangeira e, consequentemente, a garantir maiores chances de sucesso no mercado de trabalho e na vida de modo geral. Também são fortalecidas competências e habilidades intelectuais e relacionais, uma vez que o ensino médio norte-americano é mais holístico que o nosso. Assim, embora diminuir a burocracia para um jovem brasileiro começar seus estudos universitários nos Estados Unidos ou em outros países não seja pouca coisa, a dupla certificação ainda oferece aos alunos o desenvolvimento de qualidades cada vez mais valorizadas na academia e no mercado.

Mais que dominar o conteúdo de disciplinas de humanas e exatas, os alunos de cursos mistos desenvolvem características importantes no que se refere a comportamento pessoal e profissional da vida adulta. Aí entram, por exemplo, autodisciplina, autodesenvolvimento, autonomia, foco e comprometimento. Isso sem falar no domínio proficiente da língua inglesa, inclusive para escrita, habilidade tão indiscutivelmente necessária nos dias atuais.

Preparação simultânea para vestibular, ENEM e SAT

Até não muito tempo atrás, a maioria dos estudantes adolescentes brasileiros tinha como foco quase que absoluto, ao final do Ensino Médio, o desafio de passar no vestibular ou obter uma boa nota no ENEM para ingressar em uma escola superior diferenciada. Hoje, com cada vez mais jovens brasileiros procurando cursos de graduação no exterior, as universidades estrangeiras acabaram sendo incluídas no rol de desejos acadêmicos de pais e filhos por todo o país. Mas, na prática, o ingresso em escolas americanas ou de outros países tem exigências diferentes.

No Brasil, o desempenho no vestibular ou no ENEM ainda é a principal forma de avaliação para a aceitação ou não de um aluno, ainda que algumas instituições de ensino superior de ponta já estejam adotando métodos diferenciados. A FGV, por exemplo, inclui uma avaliação oral dos concorrentes. O Insper avalia as provas dos candidatos usando o mesmo modelo matemático da correção do SAT, o que reforça o quanto optar por uma formação escolar híbrida desde cedo pode ser um diferencial importante para seu filho.

Valorização de atividades extraclasse

Nos Estados Unidos, o equivalente ao ENEM, que no Brasil tem diversas finalidades, é o SAT, sigla para Scholastic Assessment Test. As provas do SAT avaliam os conhecimentos referentes ao currículo do Ensino Médio e são divididas em 2 tipos: uma de raciocínio e outra das matérias propriamente ditas. O teste de raciocínio abrange matemática, leitura crítica e redação, e o de matérias é composto por questões de múltipla escolha de literatura inglesa, história dos Estados Unidos e mundial, matemática, ciências e línguas.

Mas por mais excelentes que sejam as notas obtidas pelos alunos nas disciplinas do currículo escolar, apenas a demonstração de compreensão plena do que foi visto em sala de aula no Ensino Médio não garante uma vaga em uma universidade estrangeira. Para aceitarem qualquer novo aluno, as instituições americanas analisam não apenas o histórico de notas do Ensino Médio, mas também o equilíbrio entre disciplinas cursadas e a evolução no desempenho de um ano para outro, além de interesses pessoais e outras atividades.

As universidades estrangeiras avaliam atentamente a forma como o aluno aproveita seu tempo fora da sala de aula. Assim, praticar esportes, realizar trabalhos voluntários, demonstrar habilidades artísticas e fazer atividades que tratem da formação do aluno como ser humano e cidadão são muito valorizadas. Em vez de escreverem uma redação sobre um tema específico, por exemplo, como ocorre no ENEM e nos vestibulares daqui, os candidatos a vagas em universidades estrangeiras precisam expor a própria visão de mundo em um texto de cunho pessoal.

Melhoria na desenvoltura geral dos alunos

Toda essa complexidade faz com que enfrentar a verdadeira maratona que é o processo de candidatura a vagas em universidades estrangeiras (especialmente as norte-americanas) seja algo assustador para alunos de escolas que atendem apenas o currículo obrigatório brasileiro com o modelo mental de desempenho no vestibular ou no ENEM. Assim, passar os 3 anos do Ensino Médio aprendendo a pensar como um cidadão do mundo certamente aumenta o nível de intimidade diante dos estudantes com as exigências multidisciplinares de um mundo cada vez mais complexo e tecnologicamente integrado.

A maioria das instituições estrangeiras exige ao menos 2 cartas de recomendação no processo de inscrição, por exemplo, que devem ser escritas por profissionais (normalmente professores) que mantenham contato próximo com o aluno, podendo assim atestar suas competências acadêmicas e pessoais. Lembrando que isso também pode ser obtido com mais tranquilidade em escolas que oferecem a dupla certificação.

Possibilidade de intercâmbio cultural sem sair do país

Mas as vantagens de se obter dupla certificação vão além do ingresso em universidades de qualidade e a consequente ampliação do acesso a oportunidades de desenvolvimento e possibilidades profissionais. Sem precisar necessariamente sair do Brasil, os alunos de escolas que oferecem currículo misto desenvolvem uma visão internacional avançada, com noção da complexidade do mundo em que vivem, tendo acesso a culturas, filosofias e visões de vida distintas.

Para que essas exigências sejam atendidas nas escolas internacionais com currículo misto brasileiras, o Ensino Médio é baseado no International Baccalaureate (IB), programa que prevê apenas 6 disciplinas, contra as 13 do currículo brasileiro. No entanto, para obedecer às normas do MEC, escolas que dispõem da dupla certificação oferecem uma formação complementar em física, química e biologia, por exemplo, que têm mais ênfase nas escolas nacionais.

Quer saber mais sobre o assunto e receber posts com dicas de educação periodicamente? Então assine agora mesmo a nossa newsletter!

 

Comentários

comentários