O que estudar para os exames de 2017: confira 4 dicas de atualidades

O que estudar para os exames de 2017: confira 4 dicas de atualidades

Para a maioria dos estudantes, todo segundo semestre pode ser traduzido como um período de preparação ainda mais intensa para os processos seletivos de fim do ano. E é nesse momento que, em meio a diversas disciplinas, exercícios e revisões, muitos se perguntam sobre como exatamente se preparar. Como lidar com todas as matérias regulamentares e ainda se atualizar a respeito dos acontecimentos mundo afora? Nesse sentido, o que exatamente seu filho deve estudar para o vestibular? Para ajudá-lo da melhor forma possível, confira agora mesmo os temas que selecionamos!

O que é avaliado na redação do ENEM?

Antes de mais nada, vale lembrar que a redação costuma ser primordial para um bom desempenho final nos vestibulares. Nesse caso, por suas particularidades, é importante saber quais são as competências avaliadas na redação do ENEM. Já imaginou se seu filho estuda tudo direitinho, mas deixa passar justamente os critérios avaliados? Saiba o que ele precisa fazer para tirar uma boa nota na redação do ENEM:

  1. Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa;

  2. Compreender a proposta de redação e aplicar conhecimentos multidisciplinares para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais de um texto argumentativo, escrito em prosa;

  3. Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, opiniões, fatos e argumentos em defesa de um ponto de vista;

  4. Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos requeridos para a construção dos argumentos;

  5. Elaborar uma proposta de intervenção para o tema abordado, sempre respeitando os direitos humanos.

Como seu filho deve se posicionar?

Ainda em relação à redação, a verdade é que o estudante nem sempre precisa se posicionar contra ou a favor de qualquer que seja o tema social proposto na redação. O que os avaliadores querem ver é a discussão, analisando não só a escrita como também a capacidade do candidato em apresentar seus conhecimentos. Por isso é que a leitura de livros, jornais e revistas é tão fundamental para que o estudante se saia bem.

Em 2015, o tema de redação do ENEM causou polêmica ao discutir a violência contra a mulher e a igualdade de gênero. A prova foi taxada nas redes sociais como um veículo de ideologias políticas. Mas vale refletir: será que a igualdade de direitos é realmente um tema restrito a um pensamento político? Por isso é tão importante que o aluno desenvolva a capacidade de se colocar no lugar do outro, enxergando as questões com a mente aberta. Afinal de contas, não se esqueça que qualquer posicionamento que infrinja os direitos humanos pode desclassificar o candidato no processo seletivo.

O que estudar para os exames?

Mas não é só a redação que requer conhecimentos atualizados, viu? Cada vez mais, as provas de exames nacionais procuram abordar questões mundiais recentes, muitas vezes fazendo conexões com as disciplinas regulamentares. Por isso é que seu filho não pode ficar parado no tempo! Que tal conferir agora mesmo alguns possíveis temas para 2017 e ajudá-lo a entender o que está envolvido? Veja:

Olimpíadas: ataques cibernéticos, manifestações e infraestrutura

Reunindo as mais diversas nações de todo o mundo, os jogos olímpicos são marcados por quebras de recordes, performances incríveis e fatos políticos. Este ano, por exemplo, a judoca Rafaela Silva conquistou o primeiro ouro do Brasil e abordou o racismo sofrido nas redes sociais quando perdeu a competição em 2012. Dando apoio à colega, a nadadora Joanna Maranhão afirmou ter sofrido ataques de caráter misógino nas redes sociais, prometendo tomar ações judiciais.

Em julho deste ano, 4 homens responsáveis pelos ataques racistas feitos contra a apresentadora Maju e a atriz Taís Araújo foram denunciados pelo Ministério Público de São Paulo. Pode ser bom pensar sobre o que os cidadãos podem fazer quanto aos frequentes ataques sofridos pelas mulheres nas redes sociais, por exemplo.

Também foram discutidas as manifestações políticas em eventos esportivos. Após diversos torcedores terem sido repreendidos por se posicionarem contra o presidente em exercício Michel Temer, um juiz federal do Rio de Janeiro lançou uma decisão liminar liberando as manifestações políticas pacíficas durante as Olimpíadas.

Além de tudo isso, os jogos olímpicos ainda marcaram o Brasil com investimentos bilionários em infraestrutura, sendo que não há garantias de que todas as estruturas serão devidamente aproveitadas no futuro. Será que o que poderia ser o grande legado desse evento pode se transformar em fardo? E será que seu filho consegue argumentar a respeito de qualquer um desses temas?

Zika vírus: emergência mundial de saúde pública

O vírus Zika foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. No fim do ano, o país já registrava um número elevado de bebês nascidos com microcefalia e o Ministério da Saúde confirmou a relação entre o vírus e o surto de má-formação das crianças. Em fevereiro de 2016, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto como uma emergência mundial de saúde pública.

A essa altura, a estrutura do Zika já foi revelada e pode ajudar no desenvolvimento de uma vacina. A epidemia também despertou discussões sobre o aborto e as consequências a longo prazo do surto de Zika. Vale ficar de olho nos desdobramentos desse cenário, porque até as provas do vestibular 2017 muita coisa ainda pode acontecer!

Eleições nos EUA: xenofobia e posse de armas

No dia 8 de novembro deste ano acontecerão as eleições presidenciais nos Estados Unidos. Diferentemente do processo brasileiro, as eleições para presidente por lá são precedidas de eleições regionais — também chamadas primárias. Em 2016, os candidatos são a ex-secretária de estado Hillary Clinton e o extravagante empresário Donald Trump.

As discussões entre eles têm sido marcadas por discursos xenofóbicos, como a proposta de Trump para erguer um muro impedindo a entrada de imigrantes mexicanos ilegais no país. E foi logo após o atentado de Orlando que as discussões sobre o porte de armas nos EUA também ganharam relevância. Seu filho já viu o especial do jornal El País sobre a cobertura das eleições ou leu o artigo da Época, que aponta a relação entre o atentado de Orlando e a homofobia no Brasil? Vale a pena.

Estado Islâmico: terrorismo e crise de refugiados

Após os atentados em Paris, em novembro de 2015, além das episódios no Iraque e na Bélgica, o grupo terrorista Estado Islâmico se tornou ainda mais motivo de medo. E o contexto geral tem provocado diversos questionamentos ao redor do globo. Seu filho conhece como ocorre o processo seletivo para entrar no grupo jihadista ou quais são as principais motivações do grupo?

Surgido após uma dissidência do Al Qaeda, no Iraque, o grupo cresceu e se estruturou com a guerra civil na Síria. O Estado Islâmico já se apoderou de diversas cidades, destruindo patrimônios mundiais e proclamando um califado nas regiões que mantém sob controle. As guerras civis e a onda de xenofobia causada pelos atentados também despertou debates sobre o fluxo de imigrantes em todo o mundo. No Brasil, por exemplo, o deputado Jair Bolsonaro já se posicionou contra a vinda de refugiados.

Mas atenção: antes de imprimir qualquer julgamento a respeito do islamismo, seu filho precisa compreender seus valores e se livrar de estereótipos. O Projeto Humanos, podcast organizado pelo professor Ivan Mizanzuk, organiza uma série de entrevistas com refugiados e estudiosos, esclarecendo questões primordiais para o entendimento dos fluxos migratórios que ocorrem em todo o mundo. Não custa nada apresentar a iniciativa para seu filho.

Agora nos conte: seu filho está na reta final da preparação para o vestibular ou estacionou ainda no aquecimento? Comente aqui e participe da conversa! E que tal aproveitar esse espírito verdadeiramente olímpico para conferir a importância da leitura e da interpretação de texto nos exames de seleção das universidades mais importantes do país?

Comentários

comentários