Meu filho foi aprovado no vestibular, e agora?

Meu filho foi aprovado no vestibular, e agora?

Para a maioria dos jovens e seus familiares, ser aprovado no vestibular é uma grande conquista, uma verdadeira recompensa à dedicação e aos recursos investidos ao longo de meses ou anos de preparação. Isso sem contar a expectativa que o processo todo gera!

Comemorar o final de um ciclo bem-sucedido é uma ótima maneira de começar o próximo com o pé direito, pois é comum que os jovens se sintam um pouco perdidos ao ingressarem na vida universitária. Muitos estudantes têm dificuldade de lidar com essa nova realidade, e ficam confusos com suas exigências e funcionamento.

Qual é o papel dos pais nesse momento? Como orientar os novos calouros de forma a facilitar essa transição? É o que veremos neste post.

Acompanhe!

1. Respeite essa fase transitória

É importante levar em consideração que seu filho ainda é um adolescente. A grande verdade é que muitos ainda são menores de idade ao realizarem sua matrícula e ao entrarem na primeira aula e realizarem as primeiras provas universitárias. 

Uma grande parte dos pais comete o equívoco de, por conta da aprovação no vestibular, encarar seus filhos como adultos, sem conceder a eles um tempo para essa transição. Um calouro é um adolescente que está prestes a enfrentar uma realidade bastante distinta da que estava acostumado até então, tanto por conta da relativa liberdade que irá desfrutar, quanto pela carga de responsabilidade que isso engendra.

2. Deixe bem clara a relação entre liberdade e responsabilidade

As demandas do Ensino Superior são mais aprofundadas, menos ordenadas e mais dependentes do esforço individual, exigindo uma postura mais proativa dos alunos, do que as demandas do Ensino Médio. Não há uniformes, não há lista de materiais, e nem uma fiscalização tão rígida de presença e atrasos nas aulas.

Até o próprio jeito de estudar muda, já que de início o estudante poderá definir sua grade de horários e disciplinas optativas. Essa libertação das regras fixas da escola pode confundir e causar um comportamento negativo nos jovens.

O papel dos pais aqui é orientar seus filhos a respeito da relação entre liberdade e responsabilidade, pois o sucesso acadêmico dependerá exclusivamente de seu comprometimento. Há menos regras porque se espera dele maior consciência em relação a seu papel!

3. Oriente-o sobre escolhas e consequências

Falamos acima que, nessa fase, seu filho ainda não é adulto, mas tenha em mente que ele também não é mais criança. Sua capacidade de compreensão e senso de realidade já devem estar suficientemente desenvolvidos para que ele arque com as consequências de suas escolhas.

É essencial que ele desenvolva maturidade para conseguir enxergar as possibilidades que a universidade oferece e trilhar seu caminho, tomando decisões e lidando com o que resulta delas. Erros e tropeços, entretanto, fazem parte da caminhada e devem ser encarados por ele (e por você) como trampolins para a aprendizagem.

O importante é seguir em frente, aprender com os erros e evoluir!

4. Converse sobre a dinâmica social

Mais um dos temas que deve ser abordado pelos pais de forma natural, sem pressão. A vida universitária é badalada: há festas, encontros em bares e eventos pensados unicamente para atrair esses jovens, até mesmo durante os dias de semana, e isso certamente impactará no rendimento acadêmico.

É importante conversar com seu filho sem fazer pré-julgamentos. Pergunte como ele se sente em relação a isso e se ele percebe que a vida social repercute em seus estudos. Tente passar um senso de perspectiva,  falando de todo esforço que foi feito para que ele chegasse até ali.

Acima de tudo, lembre-se: seu papel é orientar e despertar a consciência desse jovem, dar apoio nos momentos de turbulência, mas jamais fazer o trabalho por ele ou assumir as consequências em seu lugar!

5. Invista na educação financeira 

Além dos estudos, a realidade acadêmica provavelmente trará um verdadeiro desafio financeiro para seu filho. Mesmo que ele seja aprovado em uma universidade federal ou estadual, há despesas com transporte, moradia, alimentação etc.

Quando mais cedo você o educar sobre a dinâmica do dinheiro, as flutuações econômicas e a importância de economizar, mais facilmente ele lidará com essa fase de transição. Estabelecer um sistema de mesada ajudará a conscientizá-lo sobre os cuidados com os limites financeiros e como é possível conviver com eles.

6. Enalteça seu potencial

A rotina de estudos acadêmica, apesar de ser mais flexível, é muito mais intensa do que seu filho viveu anteriormente. Os assuntos não são tão diversificados, mas são ensinados e cobrados de forma muitos mais aprofundada, afinal de contas eles formam as bases de uma profissão.

Se perceber que seu filho está tendo dificuldades em acompanhar esse ritmo, sente-se com ele e procure entender exatamente o que está acontecendo. Só assim você terá instrumentos para ajudar. Enalteça sua capacidade de superar desafios, fale de suas conquistas e explique que duvidar de si mesmo e de suas escolhas é perfeitamente normal em meio à enxurrada de informações que nos chegam todos os dias.

Incentive seu filho a criar o hábito de refletir sobre seus problemas e a identificar o que pode ser modificado para que a situação melhore!

7. Seja um exemplo de resiliência

A capacidade de ser resiliente frente a impedimentos e dificuldades é a chave para superar os desafios da vida contemporânea e do turbulento século 21. Continuar se movimentando, seguir em frente a despeito dos problemas e dos “nãos” que a vida nos dá, significa desenvolver essa capacidade.

É de resiliência que precisamos para conseguir sobreviver nessa complexa sociedade, alcançando a tão sonhada realização pessoal e profissional. Se você quer que seu filho não esmoreça frente ao primeiro obstáculo, seja o exemplo. Foque sua mente e esforços nas soluções e não nos problemas e ensine que é sempre possível achar uma saída!

8. O caminho após ser aprovado no vestibular

A vida universitária e os desafios que ela traz compõem um momento único de aprendizado e evolução na vida de um indivíduo. Nela, aperfeiçoamos nossa capacidade de superar desafios, aprendemos a lidar com a liberdade de escolher e com a responsabilidade e arcar com as consequências dessas escolhas.

Se seu filho foi aprovado no vestibular e está entrando nessa fase, seja seu suporte, seu exemplo e esteja sempre disposto a ouvir seus desabafos e a comemorar suas vitórias!

Sentindo-se inspirado com nossas ideias? Então confira 8 passos para ajudar seu filho a escolher um curso!

Comentários

comentários