Lixo eletrônico também dá para reciclar: o que fazer com ele?

Lixo eletrônico também dá para reciclar: o que fazer com ele?

Na era da hiperconectividade e da tecnologia em que estamos vivendo atualmente, só é possível estar conectado com o que acontece no mundo graças ao uso de uma infinidade de dispositivos eletrônicos. Aí entram computadores, tablets, notebooks, celulares, smart TVs, entre muitos outros equipamentos que lotam não só as prateleiras das lojas como também das estantes de casa. E tudo bem que o aumento da conexão entre as pessoas proporcionado por esse tipo de dispositivo é extremamente útil, mas a verdade é que não são só pontos positivos. Na prática, existem questões bastante preocupantes relacionadas ao uso em larga escala desses equipamentos.

Afinal de contas, o que fazer com aquele celular pifado ou com aquele computador obsoleto, que ninguém mais quer? A maioria das pessoas simplesmente desconhece a melhor maneira de descartar o chamado lixo eletrônico. E foi justamente para ajudá-lo a descobrir como descartar corretamente esse lixo que resolvemos elaborar o post de hoje! Então continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Mas o que é o lixo eletrônico?

Também chamado de e-lixo, o lixo eletrônico se refere a todo equipamento (eletrônico ou eletrodoméstico) que já não funciona ou está obsoleto e, consequentemente, é descartado. O aumento do consumo desses dispositivos nas últimas décadas fez com que essa questão se transformasse em uma preocupação de nível mundial. E não é para menos! Se o ritmo continuar acelerado como está, o planeta terá que lidar com 65,4 milhões de toneladas de lixo eletrônico daqui a pouco, em 2017.

Além de entulharem os lixões e aterros sanitários das cidades, esse tipo de rejeito também pode ser extremamente perigoso, visto que entre seus componentes estão metais tóxicos e contaminantes, nocivos às pessoas e ao meio ambiente. Por isso, a cada dia mais, governos e empresas fabricantes desse tipo de produto tentam criar alternativas e diretrizes no sentido de dar a correta destinação a esse tipo de resíduo.

É possível reciclar esse lixo?

Já podemos adiantar que sim! Aliás, existem empresas especializadas nesse tipo de atividade — denominada manufatura reversa. Como o próprio nome sugere, tal processo consiste na coleta e no desmonte desses equipamentos, seguindo o caminho oposto ao de fabricação. Com as peças devidamente separadas, torna-se possível dar a correta destinação a cada tipo de componente dos aparelhos. Ferro, alumínio, vidro e plástico, por exemplo, são enviados à reciclagem. Peças mais complexas, como placas de circuito (constituídas por mais de 20 componentes distintos), são trituradas e cada elemento é destinado a um fim.

Vale destacar que a manufatura reversa é extremamente eficiente quando realizada da maneira certa. Em alguns casos, é possível reciclar e reutilizar até 100% dos materiais de um equipamento, sabia? Além disso, essa atividade ainda gera emprego e renda, já que a etapa de desmonte dos aparelhos é feita manualmente, o que requer bastante mão de obra. Isso sem contar que, após a separação e a reciclagem, os materiais são vendidos para empresas que os utilizam como matéria-prima.

A grande problemática está, porém, na coleta e no transporte desse tipo de material. Em função das grandes distâncias territoriais do Brasil e da pouquíssima quantidade de empresas especializadas na manufatura reversa por aqui (concentradas principalmente na região sudeste), a correta destinação do lixo eletrônico se torna não só difícil como cara. Mas esse cenário está mudando. Com a instauração da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que responsabiliza os fabricantes e os consumidores pela correta destinação do lixo eletrônico, muitas empresas vêm criando postos de coleta em diversas cidades do país, bem como abrindo fábricas de manufatura reversa para seus produtos. A tendência é que, com o tempo, a logística de todo o processo seja aprimorada e expandida.

E como fazer esse descarte?

Como já citamos anteriormente, a maioria das cidades do país ainda não possui a infraestrutura para a coleta e a destinação do lixo eletrônico produzido. Mas isso não pode servir como desculpa para que você não faça sua parte! Então comece se informando sobre a presença de pontos de coleta na sua cidade — lembrando que eles geralmente estão presentes em grandes redes de supermercados e lojas de departamentos. Você também pode investigar se há algum programa voltado a essa questão na prefeitura de onde mora, já que alguns municípios se encarregam de coletar e destinar adequadamente o lixo eletrônico de seus moradores. Por fim, se nada disso for possível, entre em contato com o fabricante do equipamento, que pode oferecer alguma alternativa.

Onde entram as crianças?

Na prática, se você parar para pensar em termos planetários, é simplesmente impossível jogar alguma coisa fora. Isso porque, para o planeta, simplesmente não existe fora. O resíduo pode até sair do seu campo de visão, mas saiba que ele vai parar em algum outro lugar, podendo afetar a vida de outras pessoas. E quando se trata de lixo eletrônico, a questão é ainda mais complicada. Por conterem materiais potencialmente contaminantes e, em sua maioria, extremamente difíceis de se decompor, pode ter certeza de que, se não forem destinados à reciclagem, esses resíduos causarão um impacto considerável ao meio ambiente, podendo afetar diretamente as gerações futuras.

Por isso, é extremamente importante que tanto os pais como a escola cumpram seu papel em relação a esse contexto. É essencial conscientizar as crianças e os adolescentes, atualmente grandes usuários de dispositivos eletrônicos, sobre a importância de dar a destinação correta ao e-lixo e também sobre a responsabilidade que cada indivíduo tem nesse processo.

A escola tem o dever e a responsabilidade de repassar conceitos e teorias referentes ao assunto, bem como deixar claras as consequências de não adotar o consumo e o descarte consciente de tais dispositivos. Em casa, os pais têm que dar continuidade a esse aprendizado. Se possível, leve seus filhos com você aos locais de coleta de lixo eletrônico, quando tiverem esse tipo de resíduo em casa. Fazer com que eles vejam com os próprios olhos e tenham a experiência concreta do correto descarte dos equipamentos eletrônicos que consomem fará com que se tornem adultos conscientes do ponto de vista ambiental, responsáveis pelos resíduos que geram.

Agora é a sua vez! Comente aqui e nos conte como você descarta o lixo eletrônico da sua família! Você conversa sobre isso com seus filhos? Deixe seu comentário e enriqueça a discussão sobre o assunto!