Expressões da língua portuguesa: dicas para crianças

Expressões da língua portuguesa: dicas para crianças

É muito comum escutarmos por aí que é difícil falar e escrever bem, não é mesmo? De fato, algumas expressões da língua portuguesa costumam nos pegar desprevenidos, causando confusão. Em alguns casos, uma única palavra pode mudar o significado de toda a frase, não só gerando ambiguidade como fazendo com o que escrevemos ou falamos soe estranho. E se algumas expressões conseguem confundir até os falantes mais escolados, imagine as crianças, que ainda estão tentando entender o funcionamento da língua!

Mas não há motivo para preocupação. A verdade é que é mais que possível aprender a distinguir o certo do errado, fazendo associações em vez de apenas memorizar. E foi justamente pensando em ajudar tanto você como seus filhos a falar e escrever melhor que resolvemos escrever este post. Leia até o fim e entenda, de uma vez por todas, o significado e a forma certa de algumas expressões! Preparado para explicá-las para seus filhos? Então acompanhe!

A cores ou em cores?

Por mais que a criançada e até muitos pais mais novos não tenham vivido a época em que se falava de fotos em preto e branco, não custa nada saber como é o correto, não concorda? Pois a dica aqui é pensar que a preposição a, em contextos como esse, costuma indicar a forma como algo funciona ou dar uma ideia de movimento. Carro a álcool, motor a óleo e freio a disco são bons exemplos desse tipo de uso. Lembrando que não há crase nesses casos por causa dos substantivos masculinos!

Então anote aí: sua televisão é em cores. Afinal de contas, essa expressão se relaciona à forma como é sua imagem e não à sua maneira de funcionamento. Pelo mesmo motivo, o correto é impresso em preto e branco, retrato em sépia, pintura em tom pastel e por aí vai.

A domicílio ou em domicílio?

Nesse caso, a primeira coisa a ter em mente é que nenhuma dessas formas da expressão está errada. O que acontece é que o jeito de escrever muda dependendo do que vem antes. Em boa parte das vezes, o termo é precedido da palavra entrega. Se for esse o caso, o correto é entrega em domicílio. Afinal de contas, a entrega é feita em casa e não à casa, não é mesmo? Mas se o que vem antes é um verbo de movimento, como enviar ou mandar, o correto é a domicílio, uma vez que o correto é enviar ou mandar algo a algum lugar.

A nível de ou em nível de?

Esse é mais um exemplo que depende do significado pretendido. A nível de significa do mesmo nível que. Veja: eu gastava muito com isso antes, mas agora meu aluguel está ao nível do que posso pagar. Mas como esse tipo de uso é bem raro, talvez não seja ele que gere tanta confusão.

No cotidiano, as pessoas costumam usar essa expressão incorretamente quando querem falar da extensão de alguma medida ou decisão. Com esse sentido, porém, a expressão correta é sempre em nível de. Não entendeu? Então que tal alguns exemplos? Todas as leis aprovadas começam a valer hoje mesmo, em nível nacional. O desmatamento e a poluição aumentaram não apenas no Brasil, mas em nível global.

Há 10 dias ou a 10 dias?

Talvez esse seja um dos erros mais comuns da língua portuguesa e, por incrível que pareça, é também um dos mais fáceis de explicar. Se a expressão se referir a algo que aconteceu no passado, o h tem que estar presente. Se não for esse o caso, o a vai sozinho mesmo.

Vamos aos exemplos? O casamento de Sônia e Jorge foi há 10 dias. Combinei com Antônio de nos encontrarmos daqui a 10 dias. A casa de praia fica a 2 dias de carro da capital. Repare que, na primeira frase, Sônia e Jorge já se casaram. Como a ação aconteceu no passado, o correto é há X dias. Já no segundo exemplo, o encontro com Antônio ainda vai acontecer, dispensando o h. No terceiro caso, o a não tem h porque não se refere a algo que aconteceu no tempo, mas sim no espaço: 2 dias é a distância que se demora para chegar à casa de praia de carro.

Vale dar aqui uma última dica: falar ou escrever há X dias atrás é incorreto. Esse tipo de construção é um pleonasmo — excesso de palavras para descrever uma ideia. Afinal, se o h na frente do a já indica que a ação ocorreu no passado, não é necessário usar a palavra atrás, que tem o mesmo sentido, certo? Outros exemplos de pleonasmo bastante usados são entrar para dentro, pequenos detalhes e aparência externa.

A longo prazo ou em longo prazo?

Essa é bem fácil de lembrar: esse tipo de expressão usa sempre a preposição em. Então é em longo prazo, em médio prazo e em curto prazo, ok? As vendas no comércio, entretanto, podem ser à vista ou a prazo. Repare que vista é palavra feminina e prazo, masculina. Por isso só há crase no a antes da primeira.

Acerca de, a cerca de ou há cerca de?

Embora a pronúncia dessas expressões seja idêntica, elas não só são escritas de formas diferentes como têm sentidos bem diferentes também. Acerca de significa a respeito de ou sobre um determinado assunto. Aqui vão 2 exemplos para facilitar o entendimento: o livro O Senhor dos Anéis conta uma história acerca da viagem de um hobbit com um poderoso anel e o comentário do narrador foi acerca do primeiro gol do jogo.

Já as outras formas funcionam exatamente como dissemos acima. Para um acontecimento no passado, usamos há cerca de. Em qualquer outro caso, o correto é a cerca de. Veja só: o casamento de Sônia e Jorge foi há cerca de 5 dias e Júlia estava a cerca de 20 metros do local da explosão.

Acredite: com algumas dicas simples, as crianças passam a achar o uso dessas expressões bem mais lógico. E a verdade é que quanto mais cedo elas dominarem a norma culta da língua, mais facilmente se expressarão no futuro. Então explique a seus filhos como essas expressões funcionam! Lembre-se de que esse é o primeiro passo para formar um adulto mais independente. Afinal, compreender a língua é também uma forma de estimular a inteligência e libertar o pensamento!

E por falar em pensamento, conseguiu pensar em algum outro exemplo de uso das expressões da língua portuguesa sobre as quais falamos aqui? Ficou na dúvida sobre algo? Deixe seu comentário e enriqueça nosso post!

 

Voltar

 

Comentários

comentários