Experiência internacional: como garantir um bom intercâmbio?

Experiência internacional: como garantir um bom intercâmbio?

Ganhar fluência em uma segunda língua, entrar em contato com outra cultura e fazer uma série de novas descobertas: esses são apenas alguns dos benefícios proporcionados por uma experiência internacional por meio do intercâmbio. Ao mandar o seu filho estudar um idioma no exterior, ele ganha autonomia, melhora o seu desempenho nos estudos e aumenta as suas oportunidades no mercado de trabalho.

Porém, para que a estadia em outro país realmente seja proveitosa, é necessário se organizar para que ela aconteça de forma segura, tomando cuidados desde a escolha da escola internacional até o planejamento dos custos financeiros ao longo da viagem.

Confira abaixo como preparar o seu filho para um intercâmbio inesquecível!

Garanta que o seu filho saiba o básico do idioma

A primeira coisa a se fazer ao pensar em enviar o seu filho para fazer um intercâmbio é certificar-se de que ele sabe o básico do idioma do país que pretende conhecer. Falar a língua local é essencial para que, ao chegar no destino escolhido, ele não fique perdido, tenha dificuldades para se comunicar ou não consiga ter um bom aproveitamento na escola internacional.

Se você quer que o seu filho estude inglês em um país que possui essa língua como nativa, o ideal é matriculá-lo em uma boa escola de idiomas ou reforçar o seu aprendizado, caso já estude em uma instituição de ensino bilíngue, para que ele aprenda o básico antes de viajar.

A falta de domínio da língua pode comprometer o intercâmbio não somente nos aspectos comunicacionais, mas também nas coisas banais, como perder muito tempo apenas para descobrir o vocabulário correto para pedir informações ou solicitar um prato no restaurante.

Escolha um programa de intercâmbio apropriado para a idade do adolescente

Na atualidade, você pode encontrar diversos programas de intercâmbio – e para que o seu filho tenha a melhor experiência possível, é imprescindível escolher aquele que seja mais apropriado para a sua idade. É importante ressaltar que, entre os 15 e 18 anos, pode-se aproveitar para cursar o Ensino Médio no exterior.

Segundo os especialistas, o mais recomendado é que o intercâmbio para estudar em outro país seja feito a partir do 2º ano, quando o adolescente já está adaptado a esse nível de escolaridade e tem tempo suficiente para prestar vestibular. Indica-se ficar em torno de 11 meses na escola estrangeira.

Pesquise tudo sobre o destino da experiência internacional

Uma das principais vantagens do intercâmbio é dar mais autonomia para que o seu filho aprenda a se virar sozinho, uma vez que não estará sob a supervisão dos pais o tempo todo. Porém, para que ele não corra nenhum tipo de risco em outra nação, é preciso orientá-lo o máximo possível antes da viagem.

Faça muitas pesquisas que possam ajudar o adolescente na sua chegada e permanência no país e que o instruam a agir no seu dia a dia. Procure saber sobre como utilizar o transporte público oferecido no destino, como é o clima local, quais são as regras da instituição de ensino escolhida, quais as expressões idiomáticas mais comuns por lá, entre outras coisas.

Com essas informações em mãos, aumentam-se as possibilidades para explorar o intercâmbio de forma segura e proveitosa, evitando transtornos que possam atrapalhar o foco do aluno em relação aos seus estudos.

Escolha uma escola de confiança

Um dos pontos mais importantes da preparação para o intercâmbio é a escolha da escola em que o seu filho vai estudar no exterior. Comece observando quanto tempo dura cada aula. Há instituições que usam nomenclaturas para diferenciar os seus cursos. Tais mudanças fazem com que a carga horária do curso também seja alterada. Um curso para nível básico de 1 hora/aula pode ter 45 minutos, enquanto que 1 hora/aula para o nível intermediário pode ter 60 minutos de duração.

Tome o cuidado de saber qual porcentagem de alunos com nacionalidade brasileira a escola aceita. Por exemplo, existem instituições no Canadá que aceitam somente 60% de brasileiros. Essa medida é tomada para evitar que os alunos deixem de evoluir no idioma pelo fato de se agruparem com os colegas que falam o seu idioma materno. Por isso, quanto menos brasileiros tiver na escola que você escolher, maiores são as chances de o seu filho praticar a língua e melhorar o seu desempenho.

Informe-se com relação à quantidade de alunos distribuídos por turma. Afinal, uma sala com uma grande quantidade de estudantes pode impedir que as aulas sejam aproveitadas 100%, devido ao professor ter que dividir a sua atenção com muitas pessoas ao mesmo tempo.

Além disso, também é essencial verificar se a instituição tem uma estrutura segura e possui monitores que possam orientar o adolescente nas atividades cotidianas e acompanhar a sua evolução com o estudo do idioma.

Planeje os custos

O planejamento de custos é fundamental para que o seu filho não fique sem dinheiro durante o intercâmbio. Antes de qualquer coisa, tenha em mente que viajar não é algo barato, principalmente quando o destino é um país cuja moeda é mais valorizada que o real – isso quer dizer que o poder de compra será menor.

Dito isso, antes de embarcar o adolescente, planeje todos os gastos que serão feitos antes, durante e após a viagem. Considere fatores como alimentação, vestuário, transporte, estadia, entretenimento, emergências, seguro viagem, passagens de ida e volta, e compras extras.

Ao projetar as despesas, você pode instruir o seu filho sobre com o que e o quanto ele poderá gastar enquanto estiver no território estrangeiro, ensinando-o a administrar o dinheiro corretamente para que não fique desprovido para a realização das suas atividades cotidianas.

Mantenha-se em contato com os anfitriões

Se você optou por instalar o seu filho em uma casa de família, mantenha-se sempre em contato com os anfitriões. Saiba quantas pessoas moram na residência, se há crianças ou adolescentes, animais de estimação, quais são as regras e os hábitos dos membros do lar. Com esses dados, você pode concluir se fez uma boa escolha.

Durante o intercâmbio, os pais devem conversar com os anfitriões para saber se o adolescente está se adaptando à sua casa temporária. Se ele já estiver instalado, mas não tiver se adaptado, você pode pedir para a escola ou agência transferi-lo para outro local mais adequado.

Seguindo essas dicas, você vai proporcionar uma excelente experiência internacional ao seu filho, garantindo que ele tenha uma estadia tranquila e preocupe-se apenas em estudar e dominar o idioma de uma vez por todas.

Quer saber mais sobre como estudar no exterior? Baixe o nosso guia para preparar o seu filho para um intercâmbio e esclareça todas as suas dúvidas!