Entenda o crescimento da demanda por escolas integrais

Entenda o crescimento da demanda por escolas integrais

Historicamente, os alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio passavam de 4 a 5 horas diárias nas escolas brasileiras. Nos últimos anos, porém, o cenário escolar do nosso país tem presenciado um aumento expressivo na procura por escolas integrais. Nesse cenário que parece ser uma tendência sem volta, cada vez mais crianças e adolescentes vêm sendo matriculados em instituições que oferecem turnos completos, com duração de 7 a 9 horas diárias, seguindo um modelo implementado em muitos países considerados referências em educação, como a Irlanda, o Chile e a Coreia do Sul.

Segundo o último Censo Escolar da Educação Básica, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), entre 2010 e 2014, o número de crianças e adolescentes frequentando escolas em tempo integral no Brasil mais que triplicou. A meta do Plano Nacional de Educação (PNE) é que, até 2022, 50% das escolas ofereçam o turno integral. O maior desafio para que isso aconteça nacionalmente é especialmente de ordem financeira, uma vez que a expansão da jornada gera custos extras com profissionais, alimentação, materiais, transporte e infraestrutura em geral.

Por mais que a motivação para a procura pelo ensino integral pareça ser, na maior parte das vezes, a impossibilidade dos pais em acompanhar mais de perto o cotidiano dos filhos, vamos ver agora que existem muitas outras vantagens nesse modelo! Mais que simplesmente ficarem em um ambiente seguro e com atividades direcionadas, adequadas às suas idades, crianças e adolescentes que frequentam escolas em período integral são mais bem preparadas para a vida adulta — começando pela superação da etapa do vestibular! Acompanhe e entenda melhor!

A integralidade do ensino vai além do período passado na escola

Uma confusão bastante comum para muitos pais está em considerar que o termo integral se refere exclusivamente ao fato de que o aluno passa todo o período do dia na escola. Mas a realidade é bem mais abrangente, viu? Na prática, as escolas integrais proporcionam uma diversidade de aprendizados e experiências que melhoram e qualificam a experiência dos estudantes. Nesses ambientes existe uma preocupação constante com a individualidade dos jovens, adotando para isso uma nova abordagem da organização dos espaços e dos conteúdos.

Além das disciplinas obrigatórias exigidas pelo Ministério da Educação, alunos de instituições com um bom planejamento curricular e uma infraestrutura adequada têm acesso a ensino de idiomas e aulas orientadas a questões do dia a dia, como orientação nutricional, além de opções de práticas esportivas, lazer e cultura, auxílio personalizado nos estudos e acesso à tecnologia, entre outros diferenciais. Isso significa que a integralidade do nome também tem a ver com o desenvolvimento global dos estudantes, focando em uma formação mais completa que a proporcionada no ensino tradicional.

O aprendizado nas escolas integrais ultrapassa os limites da sala de aula

Outra vantagem bastante evidente de escolas que oferecem o ensino integral é a ampliação dos horizontes dos alunos para além da sala de aula ou mesmo da instituição escolar. De certa maneira, os educadores acabam exercendo uma função de orientação que antigamente era de responsabilidade apenas das famílias. As famílias, por sua vez, estão cada vez mais envolvidas no cotidiano de trabalho e na vida naturalmente atribulada dos centros urbanos.

Fazem parte dessas atividades visitas a museus, bibliotecas, parques e até mesmo passeios pelas ruas das cidades, fazendo uma relação direta entre o que é aprendido na sala de aula e a realidade em si. Isso sem esquecer, evidentemente, da grande influência exercida pelas novas tecnologias no cotidiano das crianças e dos adolescentes. Nesse sentido, as escolas integrais também auxiliam na orientação sobre como melhor usar essas ferramentas para torná-las aliadas e não inimigas da aquisição de conhecimento.

A participação das famílias e da comunidade é simplesmente fundamental

O fato de que a escola ocupa muitos dos espaços que antigamente eram preenchidos pelas famílias não significa, de maneira alguma, que pais e responsáveis estejam liberados de participar da educação de suas crianças! Mesmo que a quantidade de tempo dedicado a isso seja menor, essa dedicação precisa sim existir. Para isso funcionar, mais que um mero sendo de prestação de serviço, deve haver uma relação de respeito mútuo entre famílias e instituições.

Nesse contexto, cabe às escolas envolver as famílias na educação, mantendo um canal de comunicação sempre aberto, com transparência total sobre o que acontece nas salas de aula e sobre os planos pedagógicos. Por outro lado, os pais precisam ver os professores e funcionários como parceiros que detêm a expertise educacional para guiar adequadamente seus filhos. Resumindo: a relação precisa ser de confiança.

O planejamento e o diálogo constantes ajudam no sucesso do modelo

Um estudo sobre as tendências na área trouxe uma listinha de fatores considerados essenciais para as escolas integrais funcionarem adequadamente. Confira!

  • Contar com um projeto pedagógico bem elaborado e não padronizado, pensando em todo o processo de aprendizado e prevendo experiências voltadas tanto para as habilidades cognitivas e intelectuais como para as físicas, éticas, afetivas e sociais.
  • Prolongar a jornada educacional, aumentando não só o tempo dentro da escola, mas também o tempo em família, que deve ser pensado para construir outro contexto de aprendizado.
  • Integrar atividades do turno e do contraturno, ministrando as aulas com os principais conteúdos curriculares no turno principal e dando acesso a diferentes experimentações no contraturno.
  • Incorporar espaços, saberes e agentes educadores, situando os estudantes no mundo que o cerca.
  • Enaltecer a diversidade cultural, proporcionando uma boa noção sobre diferenças de pensamento e cultura, ensinando respeito e tolerância.
  • Valorizar família e comunidade, assegurando a conectividade dos aprendizados em casa e na escola.
  • Promover parcerias com a comunidade, organizando eventos entre escolas para instigar a convivência com alunos de outras regiões e realidades sociais.
  • Ampliar a educação para outros setores, seja passeando pelo centro da cidade a pé, levando crianças urbanas para conhecer uma fazenda ou apresentando alunos de escolas rurais ao centro de uma cidade grande, por exemplo.

Agora que você já sabe mais sobre o aumento da procura por escolas integrais no país, aproveite para conferir nosso e-book sobre mitos e verdades sobre a escola integral e entender direitinho como ela contribui para o desenvolvimento do seu filho!

 
Facebook Comments

Comentários

comentários