Conheça os 3 maiores benefícios de um cérebro bilíngue

Conheça os 3 maiores benefícios de um cérebro bilíngue

Falar 2 línguas tem efeitos óbvios em um mundo globalizado, não é mesmo? Mas se engana quem pensa que os benefícios se limitam ao mundo dos negócios! Nos últimos anos, cientistas mostraram que as vantagens de ser bilíngue se estendem dos âmbitos mais complexo aos mais básicos, como a saúde e a capacidade de comunicação. É isso mesmo: aprender outra língua pode fazer com que seu filho fique mais inteligente!

Segundo dados divulgados pela BBC, entre 60% e 75% das pessoas em todo o mundo falam ao menos 2 idiomas. Quer sugestão mais clara de que o cérebro humano está pronto para trabalhar com diferentes linguagens?

Contrariando muitos educadores do século XX, que costumavam afirmar que 2 idiomas confundiam as crianças, os cientistas modernos têm sido cada vez mais enfáticos ao mostrar que a educação bilíngue é sim vantajosa. Confira agora mesmo as descobertas que reunimos sobre o cérebro bilíngue!

O que significa ser bilíngue?

Um bilíngue bem equilibrado tem habilidades parecidas em 2 línguas, conhecendo e usando os idiomas em proporções variáveis. Há basicamente 3 tipos de bilíngues:

  • O composto, que desenvolve 2 códigos linguísticos simultaneamente, com um único conjunto de conceitos — como no caso de crianças cujos pais têm 2 nacionalidades;

  • O coordenado, que trabalha em 2 conjuntos de conceitos, aprendendo um idioma na escola e usando outro em seu convívio social;

  • O subordinado, que aprende uma língua secundária por meio de filtros da língua primária.

Todos os tipos de pessoas bilíngues podem se tornar proficientes no idioma, independentemente de sotaque ou pronúncias. Para um observador casual, as diferenças são mínimas. A diferença está na vontade de aprender!

Quais são os maiores benefícios para o cérebro?

Diversos especialistas em todo o mundo têm se dedicado a estudar os benefícios do aprendizado de diferentes idiomas. Esse esforço se torna ainda mais urgente se levarmos em conta os fenômenos da globalização e da morte de idiomas — a estimativa é que mais da metade das línguas que conhecemos hoje estarão mortas até o final do século. Nesse cenário, indivíduos multilíngues terão papel fundamental na resolução de conflitos entre povos, na consolidação de negócios e na preservação de culturas.

Ainda precisa de mais argumentos para adotar uma educação bilíngue para seu filho? Então continue acompanhando!

1. Solução de problemas

O neuropsicologista Jubin Abutalebi, da Universidade de San Raffaele, de Milão, afirma que o cérebro dos bilíngues desenvolve mais massa cinzenta em uma região associada à aquisição de vocabulário. Em entrevista à BBC, Abutalebi diz que é possível distinguir bilíngues de outras pessoas apenas observando imagens escaneadas de seus cérebros, que apresentam uma quantidade significativamente maior de massa cinzenta no córtex cingulado anterior (ACC). Assim como um músculo, quanto mais você usa o ACC, maior e mais flexível ele fica.

Como um cérebro bilíngue é constantemente desafiado, precisa fazer um esforço maior para reconhecer e negociar significados, de forma a decidir qual idioma é mais adequado para cada instante. A atenção necessária para alternar entre línguas gera mais atividade, estimulando as funções do córtex pré-frontal dorsolateral — parte do cérebro que desempenha funções executivas, resolvendo problemas, fortalecendo a concentração, alternando entre tarefas e filtrando informações irrelevantes.

2. Enriquecimento de perspectivas

Se alguém perguntar a você, em português, qual é seu prato favorito, você provavelmente escolherá um de nossos quitutes típicos, certo? Já se a mesma pergunta for feita em italiano, você provavelmente pensará em suas preferências gastronômicas da Itália! Alguns neurologistas estudam esse fenômeno, investigando se diferentes linguagens despertam diferentes ações.

Também em depoimento para a BBC, o professor Panos Athanasopoulos, da Universidade de Lancaster, na Inglaterra, afirma que falantes da língua inglesa são focados na ação ao observar fenômenos. Os que falam a língua alemã, por outro lado, demonstram uma visão mais holística das situações, dando mais atenção ao objetivo da ação. Na verdade, portanto, é comum que bilíngues se sintam pessoas completamente diferentes ao falarem outro idioma, o que pode ser explicado pela lógica que cada idioma exige.

3. Envelhecimento com saúde

Uma capacidade melhor de concentração e de resolução de problemas, com mais flexibilidade mental para habilidades múltiplas: tudo isso é muito interessante para o dia a dia. Contudo, o benefício de um cérebro bilíngue que mais tem empolgado cientistas é sua influência no envelhecimento. Aprender outro idioma parece nos proteger de efeitos precoces da demência, sabia?

A psicolinguista Ellen Bialystok, da universidade de York, no Canadá, descobriu que indivíduos bilíngues com tendência ao Alzheimer demoraram 4 a 5 anos a mais para apresentar os sintomas em relação aos que falavam apenas um idioma. Segundo Bialystok, ser bilíngue não previne o desenvolvimento de demência, mas retarda os efeitos da doença. A cientista explica: se a demência afeta certas partes do cérebro, os bilíngues acabam compensando os danos por mais tempo porque têm uma massa cinzenta extra, bem como padrões neurais alternativos.

O bilinguismo também melhora a proteção do cérebro no caso de danos. Um estudo recente feito com 600 sobreviventes de infartos, na Índia, mostrou que a recuperação cognitiva foi mais rápida nos indivíduos bilíngues.

É mesmo importante começar cedo?

Aprender um idioma ativa as mais diversas funções no cérebro. Veja bem: o hemisfério esquerdo do cérebro é associado a processos lógicos, enquanto o direito é mais ativo em processos sociais e emocionais. Até aí tudo bem, certo? Mas levando em conta que a lateralização é desenvolvida gradualmente, com a idade, os neurologistas criaram a teoria do período crítico.

Segundo essa teoria, as crianças têm facilidade em aprender línguas porque a plasticidade de seus cérebros permite que os 2 hemisférios sejam usados na aquisição da linguagem. Já nos adultos, esse processo ativa somente um hemisfério — geralmente o esquerdo. Por isso, é tão importante aproveitar a infância e a adolescência para proporcionar o máximo de interações com outro idioma!

Escolas bilíngues estão crescendo em todo o mundo, proporcionando às crianças educadas nesse modelo um desempenho cada vez melhor. Com capacidade de concentração mais aflorada, foco total e mais autoestima, essas crianças têm mais empatia por outras culturas, o que beneficia nossa sociedade. Então o que ainda está esperando para proporcionar tudo isso a seu filho? E se quer saber mais sobre as vantagens de uma educação bilíngue para bebês, confira este nosso outro post!

 

Comentários

comentários