Conheça melhor sobre o conceito de escola 2.0

Conheça melhor sobre o conceito de escola 2.0

Uma das principais características da educação de ponta hoje em dia é a forma como ela incorpora e traduz as novas tecnologias na prática do aprendizado. Também chamada de escola 2.0, essa é uma nova maneira de pensar o ensino, o processo pedagógico e as formas de acompanhar a transformação tecnológica pelas quais a sociedade, o mercado e o conhecimento estão passando. Que tal conferir mais informações sobre esse novo conceito de escola? Saiba mais:

Afinal, o que é a escola 2.0?

A escola 2.0 é a escola do futuro. Basicamente, ela diz respeito a um novo ambiente educacional, em que a tecnologia e a inovação não ficam da porta da sala de aula para fora. Na verdade, elas são incorporadas ao processo pedagógico, à compreensão da individualidade dos alunos e às necessidades de preparo para um mercado de trabalho cada vez mais dinâmico e competitivo.

Os segmentos educacionais mais tradicionais costumam ser bastante avessos a essas transformações, especialmente devido ao fato de que muitas dessas inovações tecnológicas são difíceis de serem acompanhadas por pais, professores e administradores. No entanto, é uma realidade que o aluno não apenas vivencia em casa e em seu dia a dia, como também a coloca em prática para a execução de tarefas escolares, estudo individual e trabalhos em grupo. Ou seja, não pode ser ignorada e devemos encontrar um equilíbrio saudável no uso dessas tecnologias.

Saiba como ela funciona

Na prática, a escola 2.0 é aquela que responde às inovações do mercado tecnológico. Tendo em vista que essas transformações passam a ser incorporadas nos mais variados âmbitos da vida do aluno, a escola também as agrega em sala de aula, no planejamento pedagógico, na elaboração de avaliações, entre outros aspectos.

Em sala de aula, gadgets como tablets, laptops e até mesmo smartphones passam a ser auxiliares do processo de aprendizado no mundo digital, e não fontes de distração. Os professores passam a considerar a multiplicidade de fontes de pesquisa e troca de informações às quais os alunos têm acesso. A administração da instituição de ensino, por outro lado, tem a capacidade de estar em constante contato com os pais, medir melhor seus indicadores de desempenho e aprimorar seus métodos.

Ou seja, a escola 2.0 funciona de forma mais dinâmica e receptiva em relação às novas tecnologias, assim como uma indústria que se digitaliza, que automatiza funções mais corriqueiras e que incorpora elementos inovadores em seu cotidiano para aprimorar seus processos. As escolas que não se adéquam a essa nova realidade acabam ficando para trás, seja no que diz respeito ao engajamento de alunos em sala de aula, seja em termos de resultado nos processos de admissão ao ensino superior.

Tecnologia e inovação são fundamentais para a escola 2.0

Falamos muito sobre a incorporação da tecnologia no dia a dia das escolas nesse paradigma 2.0 da educação. Mas como essa relação ocorre na prática? Como a tecnologia passa a ser utilizada no processo pedagógico? Confira alguns dos principais aspectos dessa revolução no ensino:

Redes sociais internas

Muitas escolas não sabem como capturar a atenção de seus alunos na comunicação com colegas e com a instituição. A criação de redes sociais internas pode ser uma opção, especialmente para lidar com problemas como bullying, monitoramento de padrões e interesse, entre outros aspectos.

Gamificação do ensino

Essa é uma tendência que há muito tempo vem ganhando a atenção de pais e professores. O aprendizado por meio de metodologias mais lúdicas e tecnológicas (gamificação) pode aprimorar o desenvolvimento de alunos, aumentar sua criatividade, potencializar atividades sociais e cognitivas, etc. Se você quer saber mais sobre o uso dessas e outras tecnologias no aprendizado, clique aqui.

Internet na motivação para os estudos

Métodos tradicionais de pesquisa e estudo individual podem hoje ser substituídos por maiores investidas dos alunos online. Afinal, a rede mundial de computadores pode incentivar alunos a se aprofundar em determinados temas de interesse, por meio de uma fonte quase que infinita de informações. Cada vez mais, professores incentivam o uso direcionado e responsável da internet, dentro e fora de sala de aula.

Ensino híbrido

Não é preciso abandonar por completo os métodos tradicionais de ensino. O que a escola 2.0 propõe é um convívio saudável e produtivo com as novas tecnologias. Processos mais tradicionais de ensino e aprendizado podem ser conciliados, como é o caso da realização de provas e trabalhos online em ambientes virtuais, por exemplo.

Repensando as estratégias didáticas convencionais

No entanto, é preciso sim repensar a pertinência de algumas estratégias didáticas convencionais. Por mais que as capacidades argumentativa e de redação sejam habilidades imprescindíveis a se desenvolver em um aluno, atividades estritamente manuscritas e ditados perdem espaço para exercícios de redação em computadores, por exemplo.

Universo online e off-line não devem ser tratados separadamente

A incorporação da tecnologia em sala de aula significa também uma nova forma de tratamento do mundo online, que não é distinto do mundo off-line. Essa não distinção é importante para entender, por exemplo, que ações online podem ter as mesmas consequências que off-line, ou até mesmo potencializadas. Cada vez mais, atividades que eram feitas presencialmente podem ser digitalizadas, o que significa também uma naturalização do mundo online na própria sala de aula.

Conheça os principais desafios desse novo paradigma educacional

Para os alunos

Os alunos são os que mais se adaptam a essa nova realidade. Por nascer e crescer em um universo extremamente conectado, abraçam essas novas tecnologias e rapidamente se familiarizam com elas, preferindo inclusive atividades mais práticas em sala de aula. Mas enfrentam dificuldades ao lidar com os limites de tempo de uso, responsabilidade de suas ações online e, principalmente, privacidade.

Para os professores

Os professores devem buscar novos métodos de avaliação, didáticas de ensino mais dinâmicas e lúdicas, bem como uma atualização constante em relação às inovações tecnológicas vivenciadas por alunos. Essa constante renovação de saberes pode ser um desafio, especialmente para educadores que estavam acostumados com ciclos de reciclagem mais longos no passado.

Para os pais

No contexto da escola 2.0, cabe aos pais fazer essa ponte entre os alunos e as instituições de ensino. Por saberem as dificuldades e necessidades no dia a dia de seus filhos, são as pessoas mais indicadas para apontar problemas no processo pedagógico, levantar questionamentos sobre o uso dessas tecnologias e reportar desafios. Ou seja, podem ter uma gestão mais participativa na educação de seus filhos.

E você? O que acha sobre o conceito de escola 2.0? Se gostou deste post, aproveite também para conferir como a tecnologia pode ser aliada dos estudos de seus filhos! Participe!

Comentários

comentários