Como o ranking do ENEM pode ajudar a escolher a melhor escola?

Como o ranking do ENEM pode ajudar a escolher a melhor escola?

Desde a roupa para sair, passando pela dieta do dia a dia até chegar ao destino das viagens de férias, toda decisão relacionada à criação dos filhos vem acompanhada de um enorme impacto na vida das crianças (e, às vezes, até na vida dos pais). Pois no que se refere à escola que os preparará para o futuro não poderia ser diferente. A parte boa é que existem indicativos que tiram bastante do peso subjetivo dos ombros dos pais nessa escolhas. Aí entra o ranking do ENEM.

Tudo bem que o ranking do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) não deve ser o único ponto considerado, mas já é um bom orientador. Afinal, a prova é um dos principais meios de ingresso ao ensino superior atualmente. Como consequência, é onde as escolas buscam se fortalecer para suprir as expectativas tanto dos pais como dos filhos. Portanto, a divulgação das melhores (e piores) notas das instituições de ensino no ENEM deve ser levada como um dado complementar na busca pela melhor formação escolar possível.

Mas como descobrir a exata posição das escolas nesse ranking? É o que você vai aprender agora. Confira então como ter precisão quase cirúrgica na escolha da educação dos seus filhos:

O ranking do ENEM e seus impactos

O ranking possui relação direta com a forma com que os pais, educadores, diretores e os próprios alunos refletirão sobre a escola em si. Assim, quando a média de notas é baixa, logo surge uma preocupação no sentido de que a instituição não prepara adequadamente os jovens para os concorridos exames vestibulares. Por outro lado, quando é alta, acredita-se que houve uma atenção especial nesse quesito.

O cálculo é realizado a partir de médias, percentuais e proficiência dos alunos em 4 áreas de conhecimento, além da redação. São:

  • Ciências da natureza e suas tecnologias;

  • Ciências humanas e suas tecnologias;

  • Linguagens, códigos e suas tecnologias;

  • Matemática e suas tecnologias;

  • Redação.

Isso é possível desde que as escolas atendam a dois critérios básicos de avaliação: o número mínimo de 10 alunos concluintes do Ensino Médio regular e que pelo menos 50% desses estudantes sejam participantes do ENEM, segundo dados do Censo Escolar. Dá para consultar o ranking de todas as instituições no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Lá você descobre e consegue acompanhar a nota da escola de seus filhos a fim de traçar as próximas etapas preparativas em sua formação.

A busca pelas escolas mais preparadas

Como o ranking do ENEM não deve ser o único ponto levado em conta, ao buscar por uma escola realmente bem preparada para pavimentar o caminho rumo ao vestibular dos filhos, é recomendável se atentar a outros pontos. No fim das contas, o conjunto desses critérios precisa estar à altura de ao mesmo tempo desafiar e ensinar os alunos. Dentre eles podemos citar:

A indisciplina estudantil

Existem escolas mais rígidas e outras que lidam com o problema de maneiras mais flexíveis. Nesse caso, pais e filhos podem tomar a decisão juntos, com base nos próprios valores familiares.

Os métodos de avaliação

Quais são os métodos de avaliação da escola? Eles atendem às expectativas dos pais e da maneira como os filhos começam a desenvolver suas áreas de interesse? Algumas escolas focam, desde cedo, na educação bilíngue e no preparativo para o ENEM. Outras, não. Vale fazer uma pesquisa aprofundada a partir dos interesses gerais tanto das crianças como dos pais.

A flexibilidade da escola

Algumas escolas simplesmente não procuram entender as necessidades nem dos pais nem sequer dos filhos, o que abre pouco espaço para uma educação mais equilibrada e baseada no que os próprios alunos desejam desenvolver. Procurar por um lugar com espaço para a troca de ideias pode ser importante nesse quesito.

Os modelos de programa de ensino

Até mesmo para suprir essa demanda por alunos mais interessados em passar o quanto antes no vestibular, mas também dos pais em encontrarem a escola mais completa para seus filhos, modelos menos convencionais de ensino têm despontado no segmento educacional, abrindo todo um leque de possibilidades.

São métodos que fogem aos modelos regulares, como o Ensino Fundamental e o Ensino Médio padrões, por exemplo, focando em objetivos específicos (como na aprovação dos principais vestibulares do Brasil, na já citada educação bilíngue e até mesmo no período integral de ensino, com a escola integral).

Como os primeiros anos das crianças são inteiramente dedicados à educação e à concepção do mundo em que vivemos, optar por um desses métodos é de grande valia para que os jovens atinjam as etapas seguintes da vida com uma visão mais ampla do mundo e de seus objetivos.

A escola integral tende a focar na produtividade do aluno e na pluralidade de suas áreas de interesse, indo desde os estudos à orientação preparatória para o vestibular, passando pela prática de esportes e a integração social. Mas também existem os cursinhos, modelos complementares de ensino que preparam os alunos especificamente para o período dos vestibulares. Mas atenção: esse último não se enquadra na busca por uma escola com média alta no ranking do ENEM. É apenas um auxiliar que, com o interesse e a disposição do aluno, transforma-se em uma ferramenta importante na conquista dos objetivos escolares.

O investimento na educação

A presença dos pais é fundamental em cada estágio da vida dos filhos. E no que diz respeito à educação, cabe a eles apontar a melhor direção, rumo que preferencialmente os guiará a uma excelente escola para que alcancem seus objetivos. E a educação é, sim, um investimento alto, do qual se espera o maior retorno possível. Esse resultado vem na forma de conhecimento e assimilação dos conteúdos abordados. Volta então a importância do ranking do ENEM.

Embora a média dos alunos deva ser levada em conta, outros fatores também influenciam no resultado desse instrumento de avaliação. Por isso, tira-se como lição que o ranking é um primeiro passo na busca pela melhor escola para os filhos. Afinal, uma metodologia de ensino perfeita até existe, mas não é única e universal. Ela é formada a partir de interesses mútuos entre pais, filhos, diretores e educadores, o que é variável.

Viu como a média do ranking do ENEM tem um significado de orientação, como se fosse uma carta de apresentação da escola para os pais indicarem aos filhos? Agora que tal aprender como a tecnologia pode ser uma verdadeira aliada dos estudos?

 

Comentários

comentários