Como a tecnologia na educação auxilia no nivelamento e engajamento dos alunos?

Como a tecnologia na educação auxilia no nivelamento e engajamento dos alunos?

O fim do ensino fundamental se aproxima e esse parece ser um momento crucial e definitivo para investir na educação de seu filho. Você percebe que ele se dedica de maneira tímida aos estudos, tira notas medianas e parece desinteressado pela escola. Nesse contexto, você sente que poderia acompanhar mais de perto o desempenho dele e ajudá-lo a se desenvolver, mas não dispõe de ferramentas eficientes para fazer isso. Saiba que é hora de investir em tecnologia na educação!

Problemas de desinteresse e de nivelamento do conhecimento entre os alunos se aprofundaram com a chegada dos tablets, smartphones e videogames portáteis à sala de aula. Os objetos digitais têm muito mais apelo para crianças e jovens do que o velho quadro-negro e os livros. Se é impossível vetar os aparelhos eletrônicos na escola, a solução está em empregar essa tecnologia também na educação.

Ferramentas tecnológicas têm sido aplicadas com mais frequência e sucesso por escolas para medir e manter um controle do desempenho dos estudantes, engajá-los nos conteúdos escolares e melhorar a interação com os pais, fundamental para melhorar os resultados acadêmicos obtidos pelos alunos.

Ficou interessado? Então acompanhe o post e saiba como a tecnologia pode ser uma ferramenta útil para você!

A educação na tela

Conteúdos considerados enfadonhos ou difíceis pela maior parte dos estudantes podem ficar mais palatáveis e instigantes se o professor mesclar suas aulas expositivas com recursos como vídeos do Youtube, em que os conceitos expostos são explorados por professores vloggers (nome pelo qual são conhecidos os responsáveis pelos canais online) com recursos digitais abundantes e linguagem leve, bem-humorada.

Alguns desses youtubers se tornaram grandes comunicadores digitais de educação. Suas aulas-vídeo, curtas e ágeis, podem servir até mesmo como uma tarefa de casa prazerosa, que o aluno possa compartilhar com a família. Trata-se de uma maneira interessante de se aproximar do universo do estudante e trazer consigo os conteúdos que ela precisa dominar.

O ideal é que o professor e o pai verifiquem atentamente os vídeos para se certificarem da qualidade do material antes de mostrá-lo aos estudantes.

Pais e escolas conectados

Agenda ou caderneta física, circulares de papel, boletins impressos. Todos estes meios de contato entre escolas e pais ficaram ultrapassados nos últimos anos. O resultado da falha na interação entre educadores e família pode ser um aluno com problemas de aprendizagem e pouco engajamento nos estudos.

Por isso, muitas escolas adotaram o uso de aplicativos parecidos com o programa de mensagens instantâneas Whatsapp para entrar em contato com os pais e ter certeza de que os avisos importantes não se percam.

Para esse fim, foram criados aplicativos que garantem praticidade e sigilo nas comunicações entre pais e equipe pedagógica, além de programas por meio do qual a escola envia SMS com informações acadêmicas do aluno, propostas de atividades, etc.

As experiências com os aplicativos são recentes mas já mostraram melhora na participação familiar nas atividades escolares, o que gera um aumento do engajamento do aluno na escola.

Outra maneira de engajar os pais e fazê-los acompanhar a evolução dos alunos é a manutenção de um site com informações atualizadas sobre notas e participação dos estudantes e forneça planilhas com informações ao longo do tempo, além de produzir relatórios periódicos sobre virtudes, dificuldades e pontos frágeis dos estudantes.

Rede social inteligente

A pesquisa TIC Kids Online Brasil, realizada em 2012, mediu o uso que crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos fazem da internet. O estudo apontou que 79% dos estudantes nessa faixa etária possuem contas pessoais em redes sociais, como o Facebook ou Instagram, e navegam ativamente nessas páginas em seu cotidiano.

Se os alunos são capazes de gastar horas nas redes sociais, eis mais uma oportunidade de inserir a tecnologia na educação: transplantar os conteúdos escolares para as redes e explorar a interatividade que esses espaços propiciam.

Se o mais popular em uma dada turma é o uso do Facebook, uma boa ideia é criar um grupo privado com todos os alunos para discutir algumas tarefas ou mesmo fazer trabalhos em grupo. O professor pode se aproveitar de ferramentas como o QuizMakerpara desafiar os conhecimentos da turma online. O mesmo vale para o Google+ ou outras redes sociais.

Os posts nesse tipo de site também podem servir como um bom estímulo para que os alunos escrevam mais e melhor e exponham ideias, desenvolvam raciocínios. A escola pode até mesmo estimulá-los a publicar textos de autoria própria em um espaço como a página Medium e ranqueá-los por qualidade e popularidade, estimulando a leitura e criando recompensas para o engajamento.

Se a classe é aficionada por postagem de fotos no Instagram, o professor pode explorar as imagens para ilustrar um dado tema. Enviar os alunos a um estudo de campo de biologia e fazê-los publicar seus registros na conta do Instagram, por exemplo, pode ser uma ideia instigante para muitos deles.

Explorar perfis com imagens espetaculares, como as vistas em contas de cientistas da Nasa ou de fotojornalistas famosos também acrescentará dinamismo às aulas e trará à sala de aula atualidades que tornarão os conteúdos curriculares mais instigantes.

Vale a pena, ainda, explorar habilidades demandadas por redes sociais como o Instagram e o Twitter. A escola pode oferecer aulas de fotografia e explicar conceitos de luz e profundidade por meio delas ou aprimorar as capacidades de síntese, coesão e interpretação de texto dos estudantes por meio dos posts do Twitter, que normalmente não devem exceder os 140 caracteres.

A tecnologia deve ser cada vez mais protagonista na educação e não se traduzir em uma ameaça à qualidade do ensino. A velocidade com que surgem novas formas de interação e atividades on-line deve corresponder à agilidade com a qual as novidades digitais são incorporadas ao cotidiano da sala de aula.

Agora que você já sabe como a tecnologia na educação pode auxiliar no nivelamento e engajamento dos alunos, que tal entender mais a fundo como ela pode se tornar uma aliada dos estudantes? Veja o post que preparamos!

Comentários

comentários