Brinquedos: saiba como usar no desenvolvimento cognitivo e motor das crianças

Brinquedos: saiba como usar no desenvolvimento cognitivo e motor das crianças

Quando um adulto pergunta a uma criança o que ela quer ganhar de presente de Natal ou aniversário, a maioria já tem a resposta na ponta da língua: brinquedos, claro! Mas e se você pudesse usar esse fascínio dos pequenos para ajudá-los em seu desenvolvimento cognitivo e motor?

Pois é isso o que vamos ensinar você a fazer no post de hoje. Continue lendo para saber mais sobre o uso dos brinquedos no aprendizado do seu filho e transforme a hora da brincadeira em mais um momento de descobertas e crescimento!

A importância dos brinquedos no desenvolvimento cognitivo e motor

Embora, para os adultos, a maioria dos brinquedos acabe sendo acima de tudo um jeito de manter a criança entretida enquanto resolvem “questões de gente grande”, a verdade é que eles vão bem além disso, sabia? Então confira a influência dos brinquedos (educativos ou não) no crescimento do seu filho:

Coordenação motora

Até os gestos aparentemente mais simples — como levar um brinquedo à boca ou esticar os braços para tentar alcançar um móbile — são etapas importantes na aquisição de habilidades motoras pela criança. Assim, qualquer brinquedo que ajude a estimular tais movimentos estará contribuindo para seu crescimento!

Relação de causa e efeito

Uma etapa essencial do desenvolvimento cognitivo de meninos e meninas é o entendimento da relação de causa e efeito. Para isso, contar com brinquedos que reagem a determinados movimentos — como chocalhos que fazem barulho quando agitados, bolas, blocos e carrinhos que podem ser empurrados, encaixados e empilhados, por exemplo — é de grande ajuda.

Dessa forma, a criança pode repetir a brincadeira e observar as consequências de bater sobre a torre de blocos, empurrar um carrinho com mais ou menos força, etc., aprendendo intuitivamente sobre o funcionamento das coisas.

Habilidades sociais

Outro benefício que os brinquedos podem trazer para o amadurecimento dos pequeninos é o de aprender a lidar com outras crianças. Mostrar o brinquedo preferido a um amigo, conhecer o brinquedo favorito do outro ou jogar um jogo juntos são convites à socialização e excelentes oportunidades para aprender a compartilhar e confiar no outro.

Nessa hora, vale lembrar que mesmo as situações de conflito podem representar um aprendizado importante. Aliás, talvez sejam elas as que mais tenham algo a ensinar aos pequenos: desapegar-se de um brinquedo que se quebrou, cuidar do brinquedo do outro como se fosse seu e pedir desculpas ao machucar o amigo ou estragar seu brinquedo são lições essenciais.     

Aquisição da linguagem

Seja usando brinquedos sonoros, conversando sobre a brincadeira ou adquirindo vocabulário com jogos mais complexos, para crianças maiores, os brinquedos também são um excelente estímulo à aquisição e desenvolvimento da linguagem.

Especialmente quando há histórias envolvidas — na leitura, brincando de “casinha” ou até mesmo assistindo a um filme infantil —, a criança é incentivada descobrir novas formas de articular as palavras e construir significados.

Escolhendo o brinquedo ideal para cada fase

Já vimos, de maneira geral, qual é o papel dos brinquedos no crescimento e amadurecimento de uma criança. No entanto, é claro que essa função irá mudar à medida que os pequenos crescem e apresentam novas necessidades e habilidades. Por isso, vamos ver agora que tipos de brinquedos são mais indicados para estimular a inteligência do seu filho em cada idade:

Recém-nascidos

Nos primeiros meses de vida do bebê, o ideal é oferecer brinquedos que ajudem-no a adquirir as habilidades motoras mais básicas. Para isso, móbiles de todo tipo, mordedores e bonecos macios são perfeitos. Tudo o que puder ser agarrado, apertado e levado à boca poderá ajudar o pequeno a se desenvolver!

Até 2 anos de idade

Essa é a idade certa para começar a entender as relações de causa e efeito, por isso, brinquedos de encaixar, com portas e compartimentos que abrem e fecham, ou botões para apertar são excelentes. Além deles, tapetes para brincar no chão, andadores, carrinhos de empurrar e outros que incentivem o pequeno a se mexer, sentar-se e dar os primeiros passos são ótimas opções.

Entre 2 e 5 anos

Depois de dominar a coordenação motora grossa, chegou a hora de refinar essa habilidade. Brinquedos menores (mas sem peças que podem ser engolidas, ok?), lápis de cor, massinha, pincéis e outros com os quais a criança precisa usar os dedos — e exercer a criatividade — para brincar são ideais.

Aqui, já é possível introduzir os primeiros jogos mais complexos, com regras: jogo da memória, quebra-cabeças com peças grandes e dominó, por exemplo, contribuem para o desenvolvimento cognitivo e motor.

A partir dos 6 anos

O início da alfabetização e o maior domínio das habilidades motoras e cognitivas amplia bastante o leque de brincadeiras de que a criança pode participar depois dos 6 anos de idade.

Nessa fase, os brinquedos devem estimular a prática de atividades físicas (como bicicleta, patins, bolas, jogo de boliche, etc.), a socialização (jogos de times ou brinquedos populares na escola, por exemplo) e a criatividade (kits de desenho, fantasias e livros infantis). Quebra-cabeças mais complicados, jogos de tabuleiro e até mesmo videogames também são bem-vindos!

Como educar seu filho brincando

Por fim, agora que você já sabe quais são os brinquedos mais adequados para cada fase do desenvolvimento do seu filho, não deixe de separar um tempo da sua rotina para brincar com ele! Afinal, fortalecer os seus laços com o pequeno também é parte essencial do seu crescimento.

Seja jogando jogos de tabuleiro em família, assistindo a um filme ou desenho animado juntos, lendo histórias em voz alta ou mesmo nas brincadeiras clássicas em casa, siga estas dicas para tirar o máximo de proveito da atividade:

  • combine um horário para começar e acabar a brincadeira, de modo a não atrapalhar a rotina dos pais nem da criança;

  • tenha regras específicas para esse momento, como respeitar o outro, guardar os brinquedos no final, não gritar, etc.;

  • e aproveite para ensinar o pequeno a trabalhar em equipe, lidar com as derrotas e não trapacear.

Desse jeito, qualquer brinquedo poderá se tornar uma ferramenta de aprendizado, além de um ótimo motivo para se divertir e passar bons momentos com os amigos e os pais!

Como é a relação dos seus filhos com seus brinquedos? Quais são suas brincadeiras preferidas e que dificuldades você enfrenta quando o assunto é esse? Compartilhe sua experiência com a gente nos comentários e participe da conversa!

 
Facebook Comments

Comentários

comentários