Ainda dá tempo de ajudar seu filho a passar de ano

Ainda dá tempo de ajudar seu filho a passar de ano

A menos de dois meses para o final do ano letivo e seu filho precisa de ajuda para passar de ano? O que fazer? Como não deixá-lo ainda mais tenso e tentar reverter essa situação para que ele não sofra as consequências de um mau desempenho? Essas e outras questões afetam milhares de pais com filhos em idade escolar todos os anos, especialmente no segundo semestre.

Muitos pais ficam desesperados com a possibilidade de o filho ser reprovado e ser obrigado a atrasar um ano na escola. Mas é importante que essa tensão não se torne maior que a vontade de auxiliá-lo. Para evitar que isso ocorra, listamos algumas dicas que podem servir de apoio na hora de ajudar seu filho a passar de ano.

Procure orientação na escola

Antes de tentar descobrir por você mesmo onde está a dificuldade de seu filho com os estudos, vá a escola e busque orientação. Como seu filho passa horas no ambiente escolar, talvez seja mais fácil tentar descobrir com o diretor ou com os professores onde está a causa para o problema.

Notas baixas podem ser decorrência de problemas de saúde (ocular, por exemplo), de desatenção, de dificuldade com alguém conteúdo específico ou até mesmo alguma deficiência emocional (depressão ou desmotivação).

Converse com os professores. Tentem, juntos, encontrar a melhor forma de ajudá-lo para que ele se sinta acolhido tanto pelos pais quanto pela escola. 

Organize uma agenda de estudos

Estipular um horário fixo para os estudos é fundamental para criar uma rotina e organizar, de certa forma, as disciplinas e o tempo que ele vai reservar para cada matéria. Lembre-se que o tempo maior deve ser reservado para as disciplinas mais difíceis. O calendário deve ser cumprido passo a passo e os pais precisam ficar atentos para que nada saia dos eixos.

Caso as metas estipuladas no calendário sejam descumpridas, sente-se com seu filho, veja o que está acontecendo e procure rearranjar algum horário. Não seja negligente com os estudos dele. Mostre a importância desse momento e quanto ele precisa se esforçar para ser bem-sucedido.  

Divida o tempo entre curtir e passar de ano

É claro que a agenda de alguém com notas ruins não é a mesma do que alguém que está com o boletim ileso. O planejamento é outro, mas isso não significa que o tempo de lazer deve ser extinto. Pelo contrário: ele é muito importante porque funciona como um gás a mais para prolongar o tempo de estudo.

O ideal, então, é dividir as horas do dia de forma equilibrada para que haja tempo de passeio, de estudo e de descanso. Atividades como ir ao cinema, fazer um esporte ou até mesmo tomar um sorvete fazem milagre. Mas sem abusar, claro!

Se preciso, contrate um professor particular

Se a dificuldade do seu filho na escola é específica, ou seja, refere-se a uma ou duas disciplinas, como matemática e português, pense na possibilidade de contratar um professor particular. É que às vezes ele já está tão desgastado com determinada matéria que criou uma certa “ojeriza” ao tema e não consegue mais avançar no conteúdo.

Faça companhia para seu filho

Muitas vezes, os pais deixam a cargo dos filhos a tarefa de estudar e tentar passar de ano, mas nem sempre eles têm maturidade ou estão preparados para superar esse momento sozinhos. Portanto, envolva-se mais com ele. Ofereça companhia e ajude nos exercícios.

Uma boa dose de criatividade é útil nessas horas. Faça um jogo de perguntas e respostas ou experimente pedir a ele que faça um resumo oral do que está estudando e mostre interesse.

Para crianças e jovens considerados mais tímidos, as notas ruins podem ser verificadas pela dificuldade em se expor na frente de colegas na hora de perguntar algo para o professor. Quem nunca pensou 10 vezes antes de fazer aquela pergunta considerada “idiota” e acabou deixando de fazê-la com medo de represálias por parte dos colegas?

Mas, na maioria dos casos, brigar porque as notas não estão como você gostaria só piora a situação. Nesse momento, uma conversa honesta no sentido de apoiar seu filho vale muito mais do que horas de castigo ou uma maratona de estudos. 

Reduza as atividades extras

Se porventura o risco de repetir o ano ou pegar recuperação é real, é preciso que a criança ou o adolescente volte as atenções para o estudo. É claro que com equilíbrio. Ficar debruçado sobre os livros 10, 12 horas por dia não surtirá um efeito positivo e sim um quadro de exaustão antes mesmo do final do ano.

O ideal é conversar com seu filho e tentar diminuir atividades extracurriculares semanais como balé, futebol, natação ou qualquer outra atividade que demande um tempo que poderia ser transformado em aprendizado, pelo menos durante a reta final. A rotina de cursos livres pode ser reiniciada no ano que vem, quando o período letivo se iniciar novamente e a cabeça estiver livre da pressão por um boletim sem notas vermelhas. 

O foco realmente deve ser o estudo, o aprendizado, a preparação para as provas finais. 

Fique atento a distúrbios no aprendizado

Se anteriormente, quando esses distúrbios ainda não eram diagnosticados, muitas crianças e jovens eram consideradas loucas ou desligadas, nos últimos anos é possível verificar, a partir do material que a criança traz da escola, se ela tem alguma dificuldade no aprendizado.

Por meio da análise cuidadosa de desenhos, das letras, de trabalhos e provas, os pais talvez consigam perceber se as atividades estão de acordo com o  que foi proposto. Neste momento, a sintonia com os professores é essencial. Exercícios incompletos ou vazios podem significar desinteresse ou deficiência de aprendizagem.

Caso seja comprovado o distúrbio (entre eles, o mais comum – o TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), procure um especialista na área, como um psicopedagogo ou neuropediatra. Ele irá orientá-los no sentido de atacar o problema.

Então, você acha que essas dicas contribuem para que você ajude seu filho a passar de ano? Faça um comentário neste post! Participe dando sugestões! 

Facebook Comments

Comentários

comentários