7 conselhos valiosos para ajudar os filhos na escolha da faculdade

7 conselhos valiosos para ajudar os filhos na escolha da faculdade

Como se o período de estudo para o vestibular e a escolha de um curso não fossem suficientemente desafiadores, os jovens ainda têm que lidar com a pressão extra de escolher corretamente a instituição de ensino em que pretendem se formar. O detalhe é que são vários os fatores a serem levados em consideração para tomar essa decisão, desde reputação e infraestrutura, passando por localização e custo até chegar à avaliação da instituição.

Diante de tudo isso, como os pais podem ajudar seus filhos a analisar tais aspectos e tomar a decisão mais adequada? Confira agora mesmo nossas dicas e entenda como contribuir para a escolha da faculdade do seu filho!

1. Verifique a qualidade

Existem várias maneiras de se verificar a qualidade das instituições em que seu filho pretende estudar. O primeiro passo é sempre consultar o site do Ministério da Educação, no portal e-MEC. Por meio de avaliações e de visitas técnicas, o MEC publica periodicamente uma avaliação de cada curso e instituição de ensino do país.

Além disso, também há diversos outros índices que medem aspectos qualitativos e quantitativos dos cursos e das faculdades brasileiras. O jornal Folha de S. Paulo, por exemplo, publica um ranking de universidades, avaliando critérios como pesquisa, inovação, internacionalização e inserção no mercado. Não custa nada checar!

2. Busque referências

Uma das melhores maneiras de conhecer uma instituição de ensino é conversando com quem trabalha por lá, quem está atualmente matriculado e também quem já passou por esse lugar de alguma forma. Ex-alunos, por exemplo, podem ajudar no processo de escolha do seu filho ao relatarem experiências pessoais, como anda a inserção no mercado de trabalho e o nível de satisfação com os serviços educacionais prestados.

Professores também são boas referências para tomar esse tipo de decisão. Afinal, um corpo docente qualificado, diverso, atualizado e preparado pode fazer toda a diferença nos resultados de aprendizagem do seu filho. Então anote aí: a maioria das instituições costuma publicar os professores que compõem seus cursos, o que facilita (e muito) seu trabalho de pesquisa.

3. Considere a localização

Por mais que qualidade e referências sejam imprescindíveis para avaliar uma instituição, também é preciso levar em conta detalhes como a localização da universidade. Seu filho terá que se mudar de cidade para estudar? Já se a universidade for na mesma região onde vocês vivem, como será o trajeto até lá? O acesso é fácil? As respostas para essas perguntas, na verdade, podem evidenciar questões de ordem prática mais preocupantes.

Aí entram custos adicionais, tempo diário de deslocamento, perda da qualidade de vida e até mesmo um estilo de vida para o qual alguns alunos ainda não estão preparados — como morar fora de casa, por exemplo. Por isso é tão importante refletir sobre essas condições para tomar a decisão mais adequada às necessidades e possibilidades do seu filho.

4. Pense nas áreas

Como a maioria das universidades costuma oferecer formação em diversas áreas do conhecimento, é bastante usual que alguns de seus cursos sejam mais notórios que outros. Contribui para isso o tempo de existência de cada curso e sua referência no mercado de trabalho como ferramenta de efetiva preparação para uma carreira de sucesso.

Provavelmente, seu filho já tem em mente alguns cursos em que gostaria de se matricular. No site do INEP, você encontra uma avaliação para cada curso baseada nos resultados do ENADE. Assim, é possível verificar qual área é mais forte em cada instituição de ensino. O mesmo pode ser feito por meio de conversas com profissionais já formados por essas instituições, que podem fazer observações sobre como cada faculdade ajudou (ou atrapalhou) sua inserção no mercado.

5. Verifique os valores

Essa é uma questão com a qual normalmente os filhos se preocupam menos. Em geral, se a instituição de ensino é privada, são os pais que arcam com os custos iniciais de mensalidade e matrícula. Por essas e outras, por que então não ajudar seus filhos a levantar também essas informações? Se a universidade não publica em seu site os valores das mensalidades, por exemplo, é possível ligar ou escrever para o setor financeiro, a fim de obter esses dados.

Além disso, também é importante verificar se há opções de bolsas de estudo, financiamento estudantil e até mesmo oportunidades de isenção de taxas. Para otimizar os gastos com a educação do seu filho, você deve levar em consideração todos esses gastos, incluindo materiais didáticos e custos diários com alimentação e transporte.

6. Agende uma visita

Outra ótima forma de conhecer uma instituição de ensino e compreender melhor quais são suas principais características é por meio de uma visita. Basta entrar em contato com o setor responsável da faculdade para agendar um tour guiado. Leve seu filho para que veja as salas de aula, a biblioteca, os espaços de convivência, os laboratórios e demais dependências da faculdade. Assim, vocês conseguem avaliar melhor a infraestrutura física da instituição.

Se possível, aproveite essa visita para também conversar com professores, coordenadores de curso e até mesmo alunos, que podem dar uma perspectiva mais precisa da realidade da instituição. O ideal é fazer essa visita durante um dia letivo, para que consiga realmente sentir o clima da faculdade, o nível de lotação das salas, as dificuldades de transporte e assim por diante.

7. Avalie a grade curricular

Finalmente, para ajudar seu filho a escolher entre uma instituição e outra, você pode encorajá-lo a fazer um quadro comparativo com as diferentes grades curriculares de cada curso. Sabia que há instituições que focam mais em disciplinas teóricas, enquanto outras dão mais ênfase à prática laboratorial e ao trabalho de campo? Tudo isso estará refletido no quadro de disciplinas de cada curso.

Além do mais, se há muitas disciplinas optativas e possibilidade de fazer um currículo mais flexível, isso demonstra que o aluno terá liberdade para direcionar o curso de acordo com seus interesses pessoais, acadêmicos e profissionais. Se seu filho sabe bem o que quer e está obstinado a alcançar seus objetivos, esse certamente será um ótimo diferencial!

E você, como tem lidado com a escolha da faculdade do seu filho? Aproveite para conferir nossos 8 passos para ajudar seu filho a escolher um curso!

 

Comentários

comentários