5 dicas para avaliar uma Proposta Pedagógica

5 dicas para avaliar uma Proposta Pedagógica

 

Com tantas propostas pedagógicas diferentes, encontrar a escola adequada para os filhos se torna uma tarefa bastante complexa, que exige uma boa dose de dedicação, esforço e comprometimento. A proposta pedagógica é a identidade da escola. Ela estabelece as diretrizes básicas e a linha de ensino e atuação na comunidade. Isto é, formaliza um compromisso assumido por professores, funcionários, representantes de pais e alunos e líderes comunitários em torno do mesmo projeto educacional.

Equipe, estrutura, valores internos e proposta pedagógica são alguns dos vários aspectos que devem ser observados, já que divergem bastante de instituição para instituição. Mas como exatamente conseguir avaliar uma escola e seu método de ensino? Para solucionar essa questão, recomenda-se primeiramente conhecer as diversas vertentes da educação. Por isso, no post de hoje, daremos 5 dicas sobre como avaliar o método de ensino de uma escola, apresentando também as principais vertentes aplicadas à educação. Aprenda tudo sobre o tema!

1 – Métodos de ensino

É simples: nem só de brincadeira e diversão vivem as crianças! Quando o assunto é escola, o papo tem que ser levado a sério tanto pelo pais como pelos professores, que precisam elaborar estratégias e projetos específicos para as aulas. O método de ensino é a maneira pela qual o professor organiza as atividades para atingir a aprendizagem da criança, compreendendo as estratégias, ações e procedimentos adotados que estão vinculados à reflexão, compreensão e transformação da realidade.

O Projeto Político Pedagógico de uma escola, estabelece os propósitos, princípios e sistema de avaliação, metodologia de instituições que dão as diretrizes para o planejamento escolar e prática pedagógica. As principais vertentes e métodos adotados pelas instituições de ensino brasileiras são:

Pedagogia tradicional

Como o próprio nome sugere, essa vertente trabalha com a metodologia convencional. Mesmo considerado ultrapassado no universo acadêmico, muitas instituições ainda adotam esse modelo. O sistema de decoreba normalmente está presente aqui, nessa metodologia que preza pela repetição como forma de memorização e fixação, avaliando o aluno por meio de notas. A realização de provas, exercícios e exames como forma de consolidação do conteúdo são inerentes à metodologia tradicional. O aluno é visto apenas como um receptor de informações, geradas e transmitidas pelos docentes.

Por isso, a relação professor-aluno é marcada pela autoridade do docente em relação ao aprendiz. Somente o professor detém os conhecimentos e os repassa aos alunos. Essa relação é marcada pela vigência de uma disciplina imposta pelo docente e tida como fundamental para o sucesso da aprendizagem em sala de aula. Logo, esse método é fundamentado na receptividade do conteúdo, de forma mecanizada por meio de uma relação hierárquica em uma instituição de ensino tradicional, seja ela laica ou religiosa.

Pedagogia Waldorf

Desenvolver aspectos físicos, sociais, espirituais e individuais: essa linha de ensino é considerada como um método alternativo. Já implementada em instituições nacionais, a pedagogia Waldorf acredita que o equilíbrio mental, físico e emocional é fundamental para o processo de aprendizado. Idealizado pelo filósofo alemão Rudolf Steiner, o método organiza os estudantes por faixa etária e não por séries. E as novidades não param por aí: nessa abordagem não existem reprovações. Visando o desenvolvimento de habilidades cognitivas e artísticas, o método reconhece as particularidades dos alunos, encarando-os como indivíduos diferentes e, por isso, únicos.

Pedagogia construtivista

Inspirada nas ideias do biólogo suíço Jean Piaget, a vertente construtivista encara o estudante como agente responsável pela construção do próprio conhecimento. Os adeptos do construtivismo sugerem que o aprendizado é adquirido e elaborado a partir das experimentações e vivências do cotidiano. A participação ativa dos alunos no processo de aprendizado é a principal característica dessa metodologia. O método também abre mão de um currículo rígido, habitualmente adotado em escolas tradicionais. O construtivismo sugere que os professores busquem assuntos e temas de interesse dos estudantes, facilitando assim o aprendizado.

Pedagogia Sócio-interacionista

Esta metodologia consiste em uma teoria de aprendizagem com foco nas interações. Isto é, que a aprendizagem ocorre em contextos históricos, culturais e sociais e afirma que todo o desenvolvimento histórico acontece do meio social para o individual. Ou seja, segundo Lev Vigotsky, o sociointeracionismo diz respeito ao homem e seu desenvolvimento com base na interação com o meio em que ele está inserido.

Para o estudioso, a criança só adquire linguagem, cultura e desenvolve o raciocínio caso esteja inserido em um meio com outras crianças, ou seja, a aprendizagem depende diretamente da interação social.

Metodologias ativas

Também conhecida como aprendizagem ativa, esta metodologia traz um caráter mais dinâmico para o processo de educação. As mudanças passam, principalmente, pelo papel do docente, transformando-o em um orientador em lugar de um transmissor de conteúdo. Para o aluno, também há uma mudança radical de postura, ele passa a ser o protagonista de seu próprio aprendizado.

Essas metodologias ativas consistem em uma parceria entre professor e aluno na busca pelo conhecimento. O aluno precisa ser proativo e o professor adquire o papel de estimulá-lo a aprender e buscar aprendizagem por iniciativa própria, isto é, trabalha sua autonomia intelectual por meio de habilidades de pensamentos que precisam ser trabalhadas, como interpretar, sintetizar, classificar, analisar, relacionar e comparar.

Além de estimular a pesquisa, o método mais linear de transmissão de conhecimento ajuda a instigar o aluno e mantê-lo sempre interessado em sua própria evolução e aprendizagem constante. Nessas metodologias também há um teor mais prático: se aprende fazendo. Seja por meio de jogos, construção de maquetes ou simulações, o fato aqui é que ver o conteúdo na prática conta muito mais para fixar os conhecimentos.

Agora que você já está a par das principais metodologias de ensino aplicadas nas escolas brasileiras, pode partir para as nossas dicas sobre como avaliar esses métodos. Basta continuar acompanhando!

2 – Verificar recursos

Não é nenhuma novidade que a participação dos pais na vida acadêmica dos filhos, além de garantir um melhor desempenho, também os motivam. Estudos apontam, inclusive, que o incentivo dos pais é um dos principais fatores que influenciam positivamente no rendimento escolar. 

Porém, se existe alguma desconfiança em relação à eficácia do método de ensino, uma alternativa viável consiste em acompanhar os principais recursos pedagógicos utilizados no ambiente acadêmico, como jogos, brinquedos, plataformas digitais, aplicativos, aparelhos tecnológicos e materiais didáticos. Assim, para conhecer detalhadamente o método de ensino em questão, confira apostilas e livros adotados pela escola.

3 – Consultar outros pais

Como já diz o senso comum, a melhor propaganda é o boca a boca. E em relação às instituições de ensino não poderia ser diferente. Se algo estiver errado ou possuir um caráter duvidoso, os pais que possuem filhos matriculados na escola certamente saberão. Por isso, verificar a opinião deles é uma excelente opção para avaliar não só o método de ensino, mas tudo o que envolve o dia a dia da escola. Enfrentando os mesmos dilemas e as mesmas dúvidas que você, os outros pais fornecerão as informações necessárias para que forme uma opinião mais precisa sobre a metodologia e os demais aspectos do ambiente escolar.

4 – Acompanhar a rotina

Ver com os próprios olhos: essa permanece sendo uma alternativa eficiente na hora de escolher uma instituição de ensino para os filhos. Ir até a escola a fim de conhecer a proposta pedagógica é um dos meios mais seguros de avaliar o método de ensino, assim como demais aspectos da instituição. A impressão obtida com a visita ao colégio juntamente com as informações fornecidas pelos demais pais proporcionarão um panorama geral bem fidedigno. Com agendamento prévio, a visita de observação é um processo que permite formar um conceito mais contextualizado das atividades e dos exercícios desenvolvidos pelos alunos. Nesse momento, aproveite para conferir também itens essenciais, como adequação dos móveis, segurança e limpeza.

5 – Conversar com coordenadores

Um diálogo aberto e franco com os coordenadores pode esclarecer muitas dúvidas. E a verdade é que esses profissionais estão lá também para orientar os pais, explicando todo o processo referente à vida estudantil dos alunos.  Não se acanhe nesse momento, afinal, você não só pode como deve fazer questionamentos objetivos e específicos sobre o método de ensino e o que mais quiser esclarecer.

Somente assim será possível avaliar se a metodologia adotada pela escola é a mais adequada para seu filho, ajustando-se melhor à sua realidade social e cultural. Tão importante quanto conhecer e avaliar a proposta pedagógica é é verificar como o conteúdo é aplicado na prática, no dia a dia das salas de aula. O fundamental, sobretudo, é tomar uma decisão baseada nas necessidades da criança. Pense bem: uma escolha acertada resulta em alunos mais motivados e satisfeitos, que se sentirão parte integrante daquele ambiente. Esse cenário não parece ideal?

Agora comente aqui e nos conte se ainda ficou com alguma dúvida! Já se sente pronto para avaliar o método de ensino que é aplicado a seu filho? Divida suas impressões, suas experiências e seus questionamentos conosco!

 

Comentários

comentários