12 dicas infalíveis de como fazer um trabalho escolar de qualidade

12 dicas infalíveis de como fazer um trabalho escolar de qualidade

Você por acaso costuma dar aquela mãozinha para ajudar os filhos nos trabalhos escolares? Se sim, talvez já tenha até enfatizado para eles a importância de algumas etapas que precedem as tarefas, como prestar bastante atenção às aulas, certo? Se não, sem problema, porque nunca é tarde nem para aprender nem para ensinar!

De fato, por mais que conhecer o assunto seja importante, um bom trabalho começa antes mesmo do conhecimento da temática. Sentar diante do computador é apenas a última etapa! E se seus filhos ainda não estão acostumados a arrancar suspiros e receber estrelinhas dos professores, aqui já damos uma dica preciosa: a atenção e as anotações em sala de aula são fundamentais. Afinal, com o objeto de estudo melhor compreendido, a pesquisa é mais frutífera e as ideias se interligam com facilidade.

Pensando nisso, resolvemos produzir um pequeno manual a fim de guiar os pais na rotina de apoio aos trabalhos escolares dos filhos, explicando as etapas e particularidades envolvidas. Então confira a seguir 12 dicas infalíveis sobre como fazer um trabalho escolar simplesmente excelente!

A concentração é fundamental

Condicione as crianças a focarem totalmente na realização dos trabalhos escolares. Para isso, evite que façam as tarefas com um olho nos livros ou no computador e outro na TV ligada ou nas atualizações das redes sociais. Tente fazer com que entendam que quanto mais tempo é gasto com o trabalho sem realmente produzir, mais tempo a tarefa levará para ser concluída. O segredo está em incentivá-los a fazerem os trabalhos em horários tranquilos e com o mínimo de distrações a seu redor.

As referências são importantes

Tudo bem que as aulas devam ser acompanhadas com atenção máxima, fazendo as devidas anotações para que sirvam de consulta depois. Mas a verdade é que aprofundar os conhecimentos sobre o tema por meio de outras fontes (como livros, enciclopédias e sites confiáveis) é mais que recomendável, promovendo a abrangência do assunto para enriquecer o trabalho escolar. Com isso, os alunos enxergam com mais clareza o real objetivo proposto pela tarefa, além de caminharem rumo a notas mais altas.

O plágio não pode ser permitido

É preciso, no entanto, orientar os filhos a respeito do plágio, explicando as diferenças entre citações e cópias e deixando as possíveis consequências e implicações completamente claras. Faça com que entendam que, por mais que a pesquisa seja primordial para se chegar a uma conclusão nova, o plágio não só é crime como não ajuda em nada no quesito aprendizado, além de poder ser facilmente detectado pelo professor.

A capa já deve dizer (quase) tudo

Comparada à trama de um bom suspense, a capa de um trabalho escolar deve dizer muito, despertando o interesse do leitor, mas ao mesmo tempo revelando apenas o suficiente. Assim consegue deixar o ápice para o final: o conteúdo. Explicando assim a seus filhos vai ficar difícil é não entender, não acha? A princípio, ensine-os a fazer uma capa concisa, com seu nome, o nome do professor, seu número e/ou série, a data de entrega e o título do trabalho. Sem mistério!

A ortografia é a primeira impressão

Não só durante a realização do trabalho, mas também depois de sua conclusão, é preciso ter atenção à linguagem e à redação. Isso porque erros gramaticais, de concordância, ortografia e até de digitação acabam dificultando o entendimento do leitor. Para evitar esse problema, sugira que seus filhos revisem a tarefa ao menos duas vezes antes da entrega. A última olhada pode inclusive ser feita em voz alta, ajudando assim a identificar erros com mais facilidade.

As imagens conversam com o texto

Imagens, gráficos e outros elementos visuais enriquecem bastante o trabalho, mas devem ser devidamente explicados. Por isso, mostre a seus filhos como a adição de legendas em cada imagem e a devida explicação sobre a origem desse material na bibliografia passam uma impressão muito mais profissional ao conteúdo, além de não deixarem dúvidas a respeito de plágio.

A uniformização é a alma do negócio

Um trabalho coeso e harmônico também se preocupa com a forma estilística de todo o conteúdo, como a fonte empregada e o alinhamento das palavras. O ideal é que o texto tenha uma padronização. Assim, seja justificando ou alinhando tudo à esquerda, usando Arial ou Times New Roman, o importante é uniformizar. Que tal sentar com seus filhos para montarem juntos um guia de formatação a ser seguido a partir de então?

A divisão torna tudo mais interessante

Essa etapa exige disciplina, pois os alunos devem conhecer o trabalho que vêm desenvolvendo para compreender como segmentá-lo. A princípio, ele pode ser dividido assim:

  • Índice: página inicial com a relação de cada tema estudado no trabalho e o número da página em que se encontra;

  • Introdução: apresentação do trabalho, com um resumo sobre a maneira como será desenvolvido;

  • Desenvolvimento: argumentos objetivos e claros sobre as ideias que conduzirão o leitor à conclusão (aqui é o momento de usar citações e recursos visuais para embasar a argumentação);

  • Conclusão: desfecho do trabalho alcançado naturalmente a partir do desenvolvimento prévio;

  • Bibliografia: links para sites e blogs pesquisados, referências de livros, apostilas e quaisquer outros materiais usados na produção do trabalho.

Uma segunda opinião conta muito

É importante que os pais ou mesmo os amiguinhos dos filhos façam a gentileza de ler seu trabalho depois de pronto. Afinal, um segundo (ou até terceiro) ponto de vista costuma ajudar bastante, permitindo a melhoria do conteúdo. Isso normalmente acontece porque o estudante está tão imerso no próprio texto que deixa passarem incoerências sem nem perceber. E são exatamente esses os detalhes mais facilmente percebidos por quem lê o trabalho pela primeira vez.

A postura ajuda nas apresentações

Na prática, porém, alguns trabalhos não se encerram com o ponto final, devendo ser apresentados em sala de aula. Nesse caso, vale dar algumas dicas sobre os filhos devem se portar. A postura ereta, por exemplo, confere mais credibilidade diante do público, da mesma forma que o tom de voz deve ser moldado para não ficar nem muito alto nem baixo demais. Gestos de mão e expressões corporais em geral devem ser utilizados para dar ênfase a algumas palavras, mas com a devida moderação, para não parecerem atitudes artificiais. Parece muita coisa para cobrar de uma só vez? Vá aos poucos, dando um toque por apresentação. Assim, até se formarem, seus filhos já estarão craques, prontinhos para dar palestras sem pestanejar!

O nervosismo deve ficar em casa

Em momentos de estresse, é mais que normal que o aluno esqueça o conteúdo e fique com as palmas das mãos suadas. Querendo ou não, a intimidação diante de uma plateia (por mais que seja de amigos) e do rigor do professor pode surtir esse efeito. Por essas e outras, a calma é fundamental para fazer uma boa apresentação. Então trabalhe com seus filhos nessa etapa, pedindo que respirem fundo e pratiquem em casa antes da apresentação. Lembre-os de que ninguém espera que sejam oradores profissionais, apenas que discorram com clareza sobre o tema. Por isso, a palavra-chave é tranquilidade!

O feedback do professor é ouro

Concluída a tarefa, com ou sem apresentação, vale incentivar que seus filhos voltem ao professor para conferir o que foi acertado e o que pode ser aprimorado para os próximos trabalhos. Até porque, mesmo que a nota estampada na capa seja a mais alta, é possível lapidar alguns pontos para que as próximas tarefas sejam ainda melhores, não concorda?

Pois agora, depois de todas essas dicas sobre como fazer um trabalho escolar excepcional, comente aqui e nos conte quais atualmente são as maiores dificuldades dos seus filhos! Tem outras sugestões a dar? Compartilhe suas experiências e dicas conosco e enriqueça nosso post!